22
Dez 13

«Tecedura/tessitura/tecidura»

Não fui eu

 

 

  «Mais paradoxos: por um lado, existem cada vez mais grandes acontecimentos culturais (festivais, bienais), lutando entre si para disputar a atenção, mas muitos esgotando-se no seu efeito espectacular, não contribuindo para a tecedura artística dos restantes dias do ano» («Palavras gastas», Vítor Belanciano, «2»/Público, 22.12.2013, p. 9).

     A que mais se lê — e a mais pretensiosa, excepto talvez tratando-se de música, pela sua origem italiana — é tessitura. Tecidura parece que a acabei de inventar, mas não; encontramo-la pelo menos em dois dicionários: no Pequeno Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (ABL, 1999) e no Grande e Novíssimo Dicionário da Língua Portuguesa, de Laudelino Freire (1957, 5 vols.).

 

  [Texto 3700]

Helder Guégués às 12:52 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas:

Ainda sobre «agueiro»

E tecnicamente

 

 

      «Na linguagem técnica, os agueiros são conhecidos como correntes de retorno: a água corre de volta para o mar, concentrada em pontos da praia onde há um canal mais fundo ou uma abertura numa barra. As correntes podem atingir velocidades de um a dois metros por segundo. Pode parecer pouco – equivalem a 3,6 a 7,2 quilómetros por hora – mas não é. “A um metro por segundo, com água pelo joelho, ninguém se mantém em pé”, garante o investigador António Pires Silva, do Centro de Estudos de Hidrossistemas, do Instituto Superior Técnico» («Instituto Hidrográfico prepara sistema de alerta para o próximo Verão», Ricardo Garcia e Camilo Soldado, Público, 22.12.2013, p. 7).

 

  [Texto 3699]

Helder Guégués às 12:12 | comentar | favorito
Etiquetas:
22
Dez 13

Léxico: «agueiro»

Para resolver

 

     

      «Segundo o Instituto de Socorros a Náufragos, a esmagadora maioria das pessoas que morrem nas zonas balneares costeiras no Verão é empurrada para longe do areal por estas correntes de retorno, que são comuns em qualquer praia. No Inverno, também as correntes são um grande factor de risco, somado ao perigo das agitação marítima mais forte e das ondas junto à praia. Nalguns casos, os agueiros formam-se em locais mais ou menos determinados. Mas em grande parte surgem aleatoriamente, conforme as modificações que a própria agitação marítima realiza nos fundos» («Instituto Hidrográfico prepara sistema de alerta para o próximo Verão», Ricardo Garcia, Público, 22.12.2013, p. 8).

      Nesta acepção, não está em muitos dicionários. Não está, por exemplo, no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora.

 

  [Texto 3698]

Helder Guégués às 10:42 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: