06
Fev 14

Léxico: «sincicial»

Venha de lá o adjectivo

 

 

   «O vírus sincicial respiratório, ou VSR, é a causa mais comum de infecções respiratórias nos bebés com menos de um ano (a malfadada bronquiolite, certamente conhecida por muitos pais)» («Vacina feita à medida contra vírus infantil dá resultados promissores», Ana Gerschenfeld, Público, 6.02.2014, p. 31).

    Não está em todos os dicionários; não está, por exemplo, no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, que, contudo, regista «sincício». No entanto, este dicionário acolhe «sincipital» e «sincipúcio». Meia cabeça.

 

[Texto 3996]

Helder Guégués às 20:22 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Tradução: «indigo-coloured»

Tudo resumido: anil

 

 

      Sabiam que a primeira cor mencionada na Bíblia é o verde? Ah, não sabiam... E sabiam que não está lá o azul-anil? Nem nos dicionários. «E mostrou-me outro compartimento de tecto esconso, que só se diferençava do primeiro por ter as paredes mais nuas e uma cama larga e baixa sem cortinados e com um cobertor azul-anil aos pés» (O Monte dos Vendavais, Emily Brontë. Tradução de Maria Franco e Cabral do Nascimento. Lisboa: Portugália Editora, 1965, pp. 141-42). Bastava que Maria Franco e Cabral do Nascimento escrevessem «anil», que é o nome da substância e da própria cor. A outra opção era «índigo», que, se anda por cá apenas desde o dealbar do século XIX, já antes era usado com outra grafia.

 

 [Texto 3995]

Helder Guégués às 11:35 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Letra grelada

Trabalho de profilaxia

 

 

  «Nos últimos 80 anos uma parte significativa da História Europeia oscilou entre o culto dogmático de uma racionalidade menor e o fascínio patológico por um irracionalismo criminoso. Uma e outra via não se excluíram inteiramente, como facilmente se pode comprovar nas experiências históricas limite que o nazismo e o estalinismo constituíram» («A ditadura do imediato e do falsamente evidente», Francisco Assis, Público, 6.02.2014, p. 52).

   E o adjectivo «europeia» com maiúscula para quê, caro Francisco Assis? Recomendo-lhe a leitura da obra O Respeito Devido à Língua Portuguesa, publicada em 1967 pela Liga Portuguesa de Profilaxia Social. Claro que já antes o velho Castilho verberara a letra grelada.

 

[Texto 3994]

Helder Guégués às 10:59 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

Falta de revisão

O nosso sal

 

 

      «Em Portugal as políticas destinadas aos jovens fazem um mal que está subavaliado. De novo fala-se em milhares de milhões de euros para megaprojectos estruturantes do país e não se fala dos jovens como objecto desse futuro e do investimento que não existe por causa da austeridade e do sacrifício que os jovens devem fazer e outras instituições estão isentas. Em consequência do fracasso das políticas educativas (falemos delas como o cadinho onde devia estar desporto, cultura, ciência e política) as praxes, as claques, as jotas e os filhos-família fizeram o seu caminho segundo se diz dentro da lei até chegarem aos encontros de um ministro com os autores morais dos desmandos sobre os mais frágeis e as universidades. Quando morrem seis jovens ‘está tudo mal’ e a Universidade não compreendeu a sua doença. Com 20 anos os jovens deveriam pensar na carreira, no primeiro emprego, no casamento e no primeiro filho e não viverem abraçados a praxes mortais que a Universidade portuguesa nega a autoria e a praxis» («Não são tolos nem suicidas e são o nosso sal», Fernando Tenreiro, Público, 6.02.2014, p. 54).

      Talvez todo o texto esteja bem pensado, mas também está mal escrito. Em alguns casos, pequenas entorses que a releitura ou a revisão endireitariam.

 

[Texto 3993] 

Helder Guégués às 10:40 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
06
Fev 14

Como se fala na televisão

Alegadamente copiada

 

      João Adelino Faria no Telejornal de ontem: «Philip Seymour Hoffman foi encontrado morto no domingo, alegadamente com uma seringa espetada no braço e junto ao corpo foram também alegadamente encontrados vários envelopes com heroína.»

     Sobrou o repetido «alegadamente» e faltou o logótipo para ser a notícia do Daily Beast: «Philip Seymour Hoffman was found dead with a needle in his arm and envelopes of heroin stamped with an Ace of Spades logo.» Mais assisado andou o Público, por exemplo, que diz que a polícia descobriu «dezenas de doses de heroína no apartamento». Envelopes...

 

[Texto 3992]

Helder Guégués às 08:13 | comentar | favorito
Etiquetas: