08
Abr 14

Léxico: «hidroalcoólico»

Desde 1948

 

 

    «Depois de resfriamento e filtração, o líquido hidroalcoólico obtido, deixou-se evaporar em banho-maria até à consistência xaroposa» (Penhas Douradas, José Crespo. Coimbra: Coimbra Editora, 1948, p. 179).

   Neste ínterim, a maioria dos dicionários ainda não arranjou uns minutos para dicionarizar o adjectivo, e por isso vou encontrando as mais fantasiosas grafias. Até parece que a ideia é os dicionários deixarem de ter palavras. Hidroalcoólico: diz-se de solução que contém água e álcool.

 

[Texto 4348]

Helder Guégués às 19:55 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Tradução: «boli»

Por aproximação

 

 

      A personagem coleccionava — há malucos para todos os gostos — «bolis de medicamentos». Ou seja... Não, não: que seja o tradutor a dizê-lo, fazemos questão. «Bulas dos medicamentos», acha o tradutor que é. Vale pela tentativa. É que, sem pesquisar nada, parecia. Mas não: são as esferográficas que os laboratórios farmacêuticos oferecem. É a redução de bolígrafo. Se fosse em inglês, já saberia. Have you got a biro? Mas não em castelhano. ¿Tienes un boli? E ainda os tradutores se queixam dos seus melhores aliados, os revisores. Claro, não se pode generalizar, alguns trucidam mesmo as obras: aos erros que já lá estão, acrescentam, por iniciativa própria e desassistidos do Espírito Santo, outros.

 

[Texto 4347]

Helder Guégués às 19:07 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Sobre «consistente»

Inconsistente, na verdade

 

 

      «Dois sinais “consistentes” com os emitidos por caixas negras de um avião foram detectados pelo sonar acoplado ao navio da Marinha australiana que participa nas buscas ao avião da Malaysia Airlines. “É claramente a pista mais prometedora” conseguida até agora sobre a localização do aparelho, anunciou o responsável pelas buscas no Sul do Índico» («Detectados sinais “consistentes” com caixas negras», Público, 8.04.2014, p. 27).

    Já aparece nos nossos dicionários, e isso é o mais simples. Basta alguém lembrar-se de o fazer. É anglicismo semântico dispensável. «Apparently consistent with black box», lê-se na imprensa em língua inglesa. Bem traduzido seria «coerente com», o que sabem, não no jornal, mas no Departamento de Dicionários da Porto Editora, ou não o registariam como sentido figurado (será?) equivalente a «coerente».

 

[Texto 4346]

Helder Guégués às 17:50 | comentar | ver comentários (1) | favorito

Léxico: «arreosta»

Trabalhos na vinha

 

 

      Num velho número da Revista de Portugal, datado de 1958, lê-se que arreosta é o nome que se dá ao «grupo de arames entrançados que se emprega para segurar uma ramada», e acrescenta-se que é termo colhido em S. Tiago de Areias, concelho de Santo Tirso. Parece, o que é, de alguma maneira, reforçado pela sua ausência dos dicionários, mero localismo; todavia, o seu uso (em obra no prelo que identificarei mais tarde) por autor entendido no tema faz supor que se trata antes de regionalismo: «Em Fevereiro, ainda, procede-se à arreosta, isto é, fixam-se e reparam-se as pedras dos bardos e esticam-se os arames, a fim de poderem suportar os ramos e as uvas que aí vêm.»

 

[Texto 4345]

Helder Guégués às 17:09 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

«À beira-Douro», por exemplo

Avessos à analogia

 

 

      «A conversa com Lizete, à beira-Tejo, numa esplanada que espreitava a Trafaria, no outro lado do rio, tinha os meandros de uma montanha-russa» (O Bairro da Estrela Polar, Francisco Moita Flores, Lisboa: Casa das Letras, 2012, p. 210).

    Quase ninguém escreve de forma diferente. E está certo. Já se se trata de outro rio, e sabe-se lá porquê, dispensam o hífen. Recorre-se sempre, porém, ao hífen. Por exemplo, à beira-Douro, à beira-Cávado, à beira-Homem.

 

[Texto 4344]

Helder Guégués às 17:05 | comentar | favorito
Etiquetas:
08
Abr 14

Léxico: «pulsoxímetro»

Não queria

 

 

      «Pulsoxímetro», leio numa tradução. A versão em linha do Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora pergunta se eu não queria pesquisar «pulsímetro». Não, tenho a certeza. O pulsímetro é o instrumento próprio para avaliar a frequência da pulsação arterial; o pulsoxímetro, que apareceu nos anos 80, é o instrumento próprio para avaliar a frequência da pulsação arterial e medir a satuação de oxigénio no sangue arterial (SaO2).

 

[Texto 4343]

Helder Guégués às 17:04 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: