Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Diocese histórica

Omitem o mais interessante

 

 

      «O padre José Traquina foi ordenado ontem bispo auxiliar de Lisboa, numa cerimónia presidida pelo patriarca, D. Manuel Clemente, no Mosteiro dos Jerónimos. José Augusto Traquina Maria nasceu a 21 de janeiro de 1954 em Évora de Alcobaça, e foi ordenado padre a 30 de junho de 1985. Era padre na paróquia de Nossa Senhora do Amparo, Benfica. Mestre em Teologia Pastoral pela Universidade Católica Portuguesa, o bispo auxiliar de Lisboa esteve vários anos ligado à preparação de candidatos ao sacerdócio, tendo feito parte da equipa formadora do Seminário de Almada e do Pré-Seminário de Lisboa. Citado pela agência Ecclesia, José Traquina disse querer “ser um bispo compreensivo e empenhado na valorização de todas as pessoas”. “Tudo aquilo que existe de preocupação humana neste mundo (...) não pode esquecer esta verdade da fé cristã: todos são chamados à dignidade, a pessoa humana é o centro.”» («Novo bispo auxiliar quer colocar “a pessoa no centro”», S. S., Diário de Notícias, 2.06.2014, p. 22).

     Infelizmente, os jornais omitem muitas vezes o mais interessante. Como um bispo auxiliar não pode tomar posse da diocese em que exerce o seu ministério, a Santa Sé atribui-lhe uma diocese histórica. No caso do novo bispo auxiliar de Lisboa, a antiga diocese de Lugura, no Norte de África.

 

[Texto 4657]

As imprecisões da imprensa

Do pó, talvez

 

 

      «Estava na lista da Direção-Geral de Segurança Interna francesa porque terá estado mais de um ano na Síria – depois de ter sido condenado sete vezes por roubos e conduzir sem carta e ter cumprido pena em cinco ocasiões – e tinha na sua posse um pano com uma inscrição do grupo jihadista Estado Islâmico do Iraque e do Levante» («Suspeito do ataque a Museu Judaico é francês e passou um ano na Síria», S. S., Diário de Notícias, 2.06.2014, p. 27).

      Um pano... Será a melhor palavra para descrever o que ele tinha na sua posse? Claro que nunca chegaremos a nenhuma conclusão, porque a imprensa internacional ora fala numa «white sheet emblazoned», ora numa «white sheet scrawled with the name of the Islamic State of Iraq and the Levant», ora numa «flag with the inscriptions of the Islamic State of Iraq and the Levant (ISIS)»... Mas um pano...


[Texto 4656]