19
Jul 14

«Incarnação/reincarnação»

Ora, isso é que está mal

 

 

    «Reincarnação» vejo muito — pudera, se em inglês é reincarnation, não se podia esperar outra coisa. Já «incarnação» vejo pouco. No fundo, só uma coisa está mal: que alguns dicionários, como o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, não registem «incarnação» e «reincarnação».

 

[Texto 4852]

Helder Guégués às 16:42 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

Locução adverbial «à la»

À maneira de, no estilo de, à...

 

 

    «E isto não apenas por parte da esquerda comunista ou anarquista (como foi o caso de Kikue Yamakawa [1890-1980], a face do feminismo de extrema-direita japonês que, a partir do anos 1920, estabeleceu um paralelo entre a discriminação dos colonizados e a das mulheres e do proletariado), mas também por parte de liberais, próximos dos primeiros pelas suas ideias à la anticolonialistas europeus da época» («Coreia e Japão: o fogo mal apagado», Philippe Pons, tradução e adaptação [?] de Adelaide Cabral, «QI»/Diário de Notícias, 19.07.2014, p. 17).

    Muito bem: em itálico porque é uma locução adverbial francesa. Mas, como todo o texto original é em francês e o substantivo está no plural, eu não a usaria. E mais: no original está isto: «proches par leurs idées des anticolonialistes européens de l’époque».

 

[Texto 4851] 

Helder Guégués às 11:17 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Vivam os jornais!

Se a gramática não mudou

 

 

      «Morreu ontem, no Leblon, Rio de Janeiro, o escritor João Ubaldo Ribeiro, nascido na ilha da Itaparica, Bahia. […] Ontem, um parceiro de juntar maravilhosamente palavras, Luis Fernando Verissimo, classificou Ubaldo de “o mais delicioso escritor brasileiro.” Um poço de pecados, depois da luxúria, a gula que causava. E causava. Num romance com um título que só um amante ingénuo (e ele não era ingénuo, amantíssimo chegava) podia inventar, “Viva o Povo Brasileiro!”, ele pôs em epígrafe, tabuleta a prevenir o que encontraria lá dentro: “Não existem factos, existem histórias.”» («Viva as bundas ditosas!», Ferreira Fernandes, Diário de Notícias, 19.07.2014, p. 56).

      «Viva o Povo Brasileiro»: está certo. «Viva as bundas ditosas»: está errado (com exclamação ou sem exclamação). O verbo já não concorda com o sujeito?

 

[Texto 4850]

Helder Guégués às 10:51 | comentar | ver comentários (1) | favorito
19
Jul 14

Como se fala na televisão

Mal e porcamente

 

 

  Repórter João Ricardo Vasconcelos, que está a acompanhar a concentração de motociclistas em Faro, no Jornal da Tarde de ontem: «Temos também todas estas tendas com muito equipamento para os motociclistas poderem comprar, adquirir alguns ricuerdos, alguns souvenirs também. Digo ricuerdos porque a maior parte dos motociclistas que aqui se encontram são espanhóis.»

      Diz «ricuerdo» porque não conhece a língua, isso sim. Pouco faltou para dizer «ricordo», o mesmo, mas em italiano. E souvenirs... Enfim, tudo menos português.

 

[Texto 4849]

Helder Guégués às 08:38 | comentar | favorito
Etiquetas: