29
Jul 14

Corrigir o autor

Melhor do que o original

 

 

      O tradutor tem de corrigir o autor, se for necessário. Um exemplo (real, como o são todos: nunca preciso de inventar): o original, inglês, falava dos patrícios romanos e usava a palavra dinarii. Ora, a palavra correcta é denarii (plural de denarius), o nosso denário. O tradutor verteu para «dinares». Ora, o dinar (isso mesmo: o étimo é o mesmo) é a unidade monetária de países como a Argélia, Iraque, Jordânia, Líbia e uns quantos mais. É do domínio da cultura geral, e por isso a pressa não pode explicar, pelo menos inteiramente, estes erros.

 

[Texto 4884]

Helder Guégués às 13:41 | comentar | favorito
Etiquetas:

São Jerónimo, é contigo

Profundamente desmoralizador

 

 

      No original está rest, e traduzem por «basear-se»; no original está base, e traduzem por «basear-se»; no original está ground, e traduzem por «basear-se»; no original está rely, e traduzem por «basear-se»; no original está found, e traduzem por «basear-se»; no original está... Chega!

 

[Texto 4883]

Helder Guégués às 12:28 | comentar | favorito
Etiquetas:

Tradução: «Mars Hill»

É bom ter em conta

 

 

      É curioso que entre nós nunca se diga colina de Marte, mas Areópago, o local em Atenas para onde os filósofos epicuristas e estóicos levaram o apóstolo Paulo. Vê-se muito em textos castelhanos, e, porque é isso que está aqui em causa, em inglês, Mars Hill. (Estão a ver? Ares era o deus correspondente ao romano Marte; daí, areios pagos, «a colina de Ares». Areópago.)

 

[Texto 4882]

 

Helder Guégués às 12:26 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Raio/relâmpago/trovão

Queraunofobia extrema

 

 

      «Um relâmpago atingiu ontem a praia de Venice, perto de Los Angeles, no estado norte-americano da Califórnia, causando um morto e oito feridos, segundo afirmaram as autoridades locais à AFP. A única vítima mortal, um homem de 20 anos, faleceu a caminho do hospital, contudo, permanece incerto se este terá sido diretamente atingido pelo relâmpago. Testemunhas contavam à televisão BBC que num ápice todo o céu escureceu, antes de uma rara trovoada de verão irromper. Um banhista, Stuar Acher, contou à estação KABC-TV que foi atingido enquanto jogava voleibol: “De repente houve um grande clarão de luz e um estrondo, parecia que alguém me tinha dado um soco na nuca.” Outra testemunha, Roger Davis, dizia ao jornal Los Angeles Times que a sua casa estremeceu e ouviu um som semelhante a uma explosão. Segundo os serviços meteorológicos dos EUA, o país conta já 15 pessoas mortas por relâmpagos em 2014» («Relâmpago vitima banhistas perto de Los Angeles», Diário de Notícias, 29.07.2014, p. 22).

   Os relâmpagos matam? Como está tudo relacionado, também está tudo confundido. O raio é a descarga eléctrica; o relâmpago é o clarão vivo e rápido; o trovão é o som produzido pelo raio. É então o raio — a descarga eléctrica — que mata.

 

[Texto 4881]

Helder Guégués às 08:44 | comentar | favorito
Etiquetas:

Uagadugu

Acertaram desta vez

 

 

      «A França decretou três dias de luto e pôs ontem as bandeiras a meia haste, numa homenagem às vítimas – 54 delas francesas. Fabius insistiu na dificuldade na recuperação dos corpos. “O trabalho é feito em condições extremamente difíceis. Os restos estão pulverizados, o calor é esmagador”, explicou. O aparelho McDonnell Douglas MD-83 da espanhola SwiftAir, fretado pela Air Algérie, fazia a ligação entre Uagadugu, capital do Burkina Faso, e Argel, na Argélia, quando se despenhou, na noite de quarta para quinta-feira. Cerca de 200 militares franceses, acompanhados de forças do Mali e da ONU, estão no local para garantir a segurança» («Piloto pediu para regressar devido ao mau tempo no Mali», Diário de Notícias, 29.07.2014, p. 19).

      Uagadugu. Exactamente. Não é nenhuma proeza, bem sei, mas não é raro estar escrito à francesa.

 

[Texto 4880]

Helder Guégués às 08:43 | comentar | favorito
Etiquetas:

Tradução: «Maurya Empire»

Lá para os lados do Ganges

 

 

      Creio que hoje em dia só se vê Império Máuria, mas em obras com mais de trinta anos é Império Mauria (que dominou a maior parte da Índia entre 321 e 185 a. C.) que podemos ler. Na Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, é Império Mauria que está registado.

 

[Texto 4879]

Helder Guégués às 00:59 | comentar | favorito
Etiquetas:
29
Jul 14

Tradução: «ruling elites»

Outra confusão?

 

 

      Ruling elites ­— «elites dominantes», verteu o nosso tradutor. Talvez não precisemos de pedir ajuda ao fantasma de Marx. Vejamos. A classe dominante é sempre a classe dirigente? Ou toda a classe dominante é dirigente? Não pode ser indiferente traduzir de uma ou de outra forma.

 

[Texto 4878]

Helder Guégués às 00:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
28
Jul 14
28
Jul 14

Cruz de Caravaca

Genuflexos e em attitudes supplices

 

      «Trata-se de um complexo religioso com vigas de grande envergadura, mas de fachada austera e simples, existindo símbolos gravados nas pedras, como a Cruz de Caravaca, rara nos Açores. O historiador [José de Mello], responsável pela biblioteca municipal, acredita ser um lugar cenobita, provavelmente de origem castelhana» («Templo perdido dos Açores descoberto entre a vegetação», Paulo Faustino, Diário de Notícias, 28.07.2014, p. 23).

    É uma cruz com dois braços horizontais, com a figura de Jesus ou o monograma JHS, e, na base, dois anjos genuflexos.

 

[Texto 4877]

Helder Guégués às 12:14 | comentar | favorito
Etiquetas: