«Alguma/nenhuma»

Trocados

 

 

      «Chapman [Harry Chapman Pincher], conta o filho ao The Guardian, “ia para uma reunião editorial, que naquela altura era um nevoeiro, de fumo e bebidas alcoólicas, e todos se viraram para ele como se fosse a pior história do mundo. A coisa de que estava mais orgulhoso é que nunca teve de se retratar em alguma história”» («O ‘caçador de espiões’ que só não resistiu à idade: 100 anos», Diário de Notícias, 8.08.2014, p. 35).

    Este é claramente um caso em que «alguma» é, na verdade, «nenhuma».

 

[Texto 4914]

Helder Guégués às 16:46 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: