Sobre «prístino»

Não se resiste

 

 

      «Estes seres, que constituem um dos três domínios dos seres vivos a par das bactérias e dos eucariotes (as suas células têm um núcleo celular que contém o ADN), são desprovidos de núcleo celular e, na água prístina do lago Whillans, a uma temperatura abaixo dos zero graus e na mais profunda escuridão, alimentam-se de metano e amónio, que convertem na energia de que necessitam para viver» («Há mesmo vida nas profundezas da Antártida», Filomena Naves, Diário de Notícias, 21.08.2014, p. 22).

     Imagino que se pretenda traduzir o termo inglês pristine. A tentação, compreende-se, é logo traduzir por «prístino», que o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora define como «poético antigo; primitivo; prisco». Talvez «primitivo» seja a melhor equivalência.

 

[Texto 4979] 

Helder Guégués às 06:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: