07
Out 14

Ortografia: «entorrinal»

A maior interessada

 

      «E foi assim que, também em experiências com ratos, encontraram, numa estrutura cerebral próxima do hipocampo chamada córtex entorinal, certas células que se activavam quando um rato passava numa dada posição do espaço onde se encontrava» («Três neurocientistas recompensados pela descoberta do “GPS” do cérebro», Ana Gerschenfeld, Público, 7.10.2014, p. 27).

    Alguém diga a Ana Gerschenfeld que se escreve «entorrinal», até porque talvez seja ela a pessoa que mais usa a palavra em Portugal.

 

[Texto 5126]

Helder Guégués às 09:33 | comentar | favorito
Etiquetas:

«Cura-se de um livro»

Curar-se desta enfermidade

 

      «Fez ontem precisamente um mês, apresentei no Porto, juntamente com Francisco Assis, o ensaio Conservadorismo, de João Pereira Coutinho. Cura-se de um livro exemplar a vários títulos e a demais propósitos. Muito bem escrito, com um português desafiante e atraente, marcado por doses de humor britânico e alguma ironia queirosiana, conciso e profundo, lê-se e relê-se de um fôlego só» («Liberdade e democracia, conservadorismo e revolução», Paulo Rangel, Público, 7.10.2014, p. 44).

      Seria sempre uma escusada originalidade, mas era preciso que o seu uso fosse adequado. Há acepções em que equivale ao verbo tratar ou sinónimos — não a tratar-se de —, como nas frases, de Morais, «não curo [cuido] disso», «não curam de [procuram] ser ricos», entre outras.

 

[Texto 5125]

Helder Guégués às 09:12 | comentar | favorito
Etiquetas:

Apelido chinês

Guangchang, para os amigos

 

      «Desde os tempos de estudante de Filosofia que Guo Guangchang, nascido numa família pobre chinesa, se mostrou um entusiasta da iniciativa privada. […] Os accionistas têm até sexta-feira para decidir se vendem as acções à empresa de Guo (na China, o apelido precede o nome próprio)» («Guo Guangchang. O homem que ultrapassou os concorrentes na corrida à ES Saúde», João Pedro Pereira, Público,7.10.2014, p. 22).

 

[Texto 5124]

Helder Guégués às 09:07 | comentar | favorito
Etiquetas:
07
Out 14

Ortografia: «antiepiléptico»

Assim não pode ser

 

      «O actor, de 40 anos, foi encontrado morto no sábado na sua casa em Oeiras. Sofria de epilepsia e estaria a ser medicado regularmente com anti-epilépticos» («Autópsia ao corpo do actor Rodrigo Menezes é hoje», Público,7.10.2014, p. 13).

      São contra o AO90, mas não são exemplares, longe disso, na defesa da ortografia que usam, no que perdem metade da legitimidade.

 

[Texto 5123]

Helder Guégués às 09:02 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: