22
Out 14

Léxico: «ortoprótese»

Ah, mas faz falta

 

    «Seis meses após o tratamento, o búlgaro [Darek Fidyka] deu os primeiros passos, apoiado em barras paralelas, com ortopróteses para as pernas e a ajuda de um fisioterapeuta. Agora, passados dois anos da operação, já consegue caminhar fora do Centro de Neuro-reabilitação Akson, em Vratislávia, com a ajuda de um andarilho. Além disso, recuperou parcialmente a sensação da bexiga e dos intestinos e a função sexual» («Homem paralisado volta a andar depois de uma terapia pioneira», Nicolau Ferreira, Público, 22.10.2014, p. 29).

    É isso mesmo: o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, que acolhe «órtese», «ortótese» e «prótese», esqueceu-se de ortoprótese. (Mas escreve-se «neurorreabilitação», Nicolau Ferreira. Aponte.)

 

[Texto 5176]

Helder Guégués às 07:28 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Devagar: um tuk-tuk, dois tuk-tuks

Não pode ser

 

      «O CDS quer que a actividade dos tuk tuk em Lisboa passe a estar limitada a um conjunto de circuitos predefinidos e se restrinja ao período diurno, “por forma a compatibilizar os interesses e necessidades” de quem vive na cidade, de quem a visita e “de quem dela depende para desenvolver os seus negócios”» («CDS quer limitar os locais e as horas em que os tuk tuk podem circular», Inês Boaventura, Público, 22.10.2014, p. 15).

      Dito da forma mais meiga possível: não sei como um jornalista não se envergonha de escrever desta maneira. «Os tuk tuk»! Valha-nos Deus, e o plural, para onde foi? Os tuk-tuks, Inês Boaventura, os tuk-tuks! TPC: escrever trezentas vezes no caderno de exercícios.

 

[Texto 5175]

Helder Guégués às 07:25 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:
22
Out 14

Libélulas e libelinhas

É o mesmo insecto

 

     «Antigamente acreditava-se que as libélulas e libelinhas (a diferença não está necessariamente no tamanho, mas mais na forma das asas) estavam ligadas a figuras diabólicas, devido ao seu aspecto, com mandíbulas implacáveis e grandes asas. Reflexo disso são os nomes comuns atribuídos a estes insectos da ordem Odonata: tira-olhos, cavalinho-das-bruxas, dragões-voadores ou balanças-do-diabo» («Libélulas enchem Lisboa em viagem para o Norte à boleia do bom tempo», Marisa Soares, Público, 22.10.2014, p. 15).

 

[Texto 5174]

Helder Guégués às 07:23 | comentar | favorito
Etiquetas: