28
Out 14

Uma letra que sobra

Sempre mais simples

 

      «Como a própria definição o diz, o vazio é um lugar onde não existe nada, mas no interior do qual se espera que venha a acontecer tudo» (O Organista, Lídia Jorge. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2014, p. 11).

   Foi um leitor que me chamou a atenção para a frase desta obra de Lídia Jorge, numa edição bilingue. Para quê «o diz»? Parece-me suficiente «como a própria definição diz, etc.». Na versão inglesa: «As the definition itself states, etc.» Outro pormenor: na ficha técnica, lê-se: «Este livro segue a grafia anterior ao Novo Acordo Ortográfico de 1990.» Não há nenhum Novo Acordo Ortográfico de 1990; há o Acordo Ortográfico de 1990 ou, se quiserem, o novo Acordo Ortográfico.

 

[Texto 5196]

Helder Guégués às 14:36 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

«Preço compreensivo», dizem eles

Uma língua emprestada

 

   «O actual modelo de financiamento foi outro ponto central na discussão. As unidades, à semelhança do que acontece com a hemodiálise, são pagas pelo chamado “preço compreensivo”, isto é, recebem um valor fixo por cada doente com VIH que tratam, cabendo-lhes fazer a melhor gestão possível dessas verbas — uma modalidade com a qual mais de 68% dos peritos concordam» («Peritos não querem doentes com VIH seguidos pelo médico de família», Romana Borja-Santos, Público, 28.10.2014, p. 10).

    Chamado «preço compreensivo», mas mal, porque «compreensivo», nesta acepção, é anglicismo completamente desnecessário.

 

[Texto 5195]

Helder Guégués às 08:27 | comentar | favorito
Etiquetas:

Outra dissonante avaria

A língua estropiada pelos políticos

 

      «Os 4000 milhões de verbas para 2015 resultam da [sic] acumulação do fecho do QREN com a estreia do Portugal 2020, de que o Governo conta executar já 5% em 2015. O que é 2,5 vezes mais do que os socialistas fizeram em 2007, quando no primeiro ano executaram apenas 1,9% do III QCA, aponta Castro Almeida. “Se somos incompetentes, o que haveremos de chamar aos governos de que António Costa fez parte?”, critica» («Governo diz que António Costa “confunde quilos com metros” no caso dos fundos europeus», Maria Lopes, Público, 28.10.2014, p. 7).

      É a primeira vez que ouço falar neste Castro Almeida (ou esqueci-me, e é quase o mesmo), mas não vou já deduzir que é menos conhecido do que eu, até porque faz parte do «Governo de Portugal», mas sou obrigado a deduzir que conhece mal a língua.

 

[Texto 5194]

Helder Guégués às 08:11 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Ortografia: «maria-vai-com-as-outras»

Não queria ser eu a dizê-lo

 

      «Este fim-de-semana, 
o primeiro-ministro chamou-me “preguiçoso” e “patético”. Parece que eu, e outros como eu, comentadores e jornalistas que se dizem “independentes”, andámos por aí a proferir “inverdades como punhos”, só para nos armarmos em “Maria vai com as outras” e assentarmos abundante traulitada nas fustigadas cruzes do Governo.
 A terrível “inverdade” de que somos acusados é esta: dizer que a despesa pública não caiu desde 2011 e que todos os sacrifícios foram inúteis» («Patético e preguiçoso me confesso», João Miguel Tavares, Público, 28.10.2014, p. 48).

    Pelo menos no que respeita à língua, não haja dúvida, é uma maria-vai-com-as-outras.

 

[Texto 5193]

Helder Guégués às 07:52 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
28
Out 14

Aportuguesamento: «búnquer»

Eles querem lá saber

 

      «Em 1940, pouco tempo depois de entrar na Segunda Guerra Mundial ao lado da Alemanha nazi, o ditador italiano Benito Mussolini dava ordens para que se iniciasse a construção de um bunker nos jardins da Villa Torlonia, junto ao palácio que entre 1922 e 1943 usou como residência oficial — um bunker que, a julgar pelas eufóricas declarações de que enfrentaria as bombas aliadas sozinho na varanda, não estaria propriamente disposto a frequentar» («Roma vai abrir ao público o bunker de Mussolini», Inês Nadais, Público, 28.10.2014, p. 29).

      Como se a palavra não andasse por aí aportuguesada há anos — e tão facilmente! — em búnquer.

 

[Texto 5192]

Helder Guégués às 07:49 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: