Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Já não espetam

No pântano com o AO

 

   «Estamos mais civilizados. Ou estamos, talvez, espectadores menos preconceituosos» («Análise tónica do artista antes conhecido como ministro da Economia», Ferreira Fernandes, Diário de Notícias, 8.11.2014, p. 60).

    Não escreviam «espetador»? Afinal seguem ou não seguem o Acordo Ortográfico de 1990? Ah, já percebi: se meia dúzia de opinantes troçam, altera-se a ortografia. O outro não quer a «rutura», estes têm receio de usar «espetador». Argumentos, nem vê-los.

 

[Texto 5241]

Um reformado espanhol

Atreveu-se Carla

 

      No fundo, o interesse da jornalista era apenas um: saber o que os presentes achavam da princesa Letizia. Cá está uma amostra: «À tarde, no Museu Calouste Gulbenkian, José Costa, 60 anos, retirado, tinha opinião semelhante. “Acho-a muito magra, não há comida lá em Espanha?”, gracejou» («Letizia fala em português, Maria não se atreveu a hablar espanhol», Carla Bernardino, Diário de Notícias, 8.11.2014, p. 58).

     Ah, sim o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora também o regista nesta acepção de «que se reformou; que já não exerce a sua actividade profissional». Será uma homenagem à princesa?

 

[Texto 5240]

Léxico: «basqueiro»

Agora com dignidade parlamentar

 

   «Ontem, Pires de Lima, que é do género mais palavras do que imagens, como já vimos, disse “basqueiro”, palavra portuense da mesma família da imagem da mão no sovaco» («Análise tónica do artista antes conhecido como ministro da Economia», Ferreira Fernandes, Diário de Notícias, 8.11.2014, p. 60).

      É mais uma dupla, vasqueiro/basqueiro, e está registada em quase todos os dicionários, até, como não podia deixar de ser, no «maior e mais completo dicionário de portoguês» que encontramos na obra Lugares e Palavras do Porto, com coordenação de João Carlos Brito (Porto: Lugar da Palavra Editora, 2014).

 

[Texto 5239]