Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «cerebrovascular»

Até esta

 

      «Em geral, a mortalidade prematura (pessoas com menos de 70 anos) em Portugal por doenças do aparelho circulatório desceu 18% entre 2008 e 2012. No mesmo período, reduziu-se em 15% a mortalidade prematura por doenças cerebrovasculares» («Metade dos doentes com AVC ainda vai para o hospital sem chamar o INEM», Romana Borja-Santos, Público, 13.11.2014, p. 12).

    É realmente espantoso: esta também não se encontra no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora.

 

[Texto 5263]

Ortografia: «ex æquo»

Por enquanto, não é nossa

 

      «“O problema do prestígio ou da falta dele coloca-se em relação a muitos prémios literários em Portugal”, afirma Nuno Júdice, acrescentado que se instalou um clima de suspeição face a muitos júris. “Andamos sempre a procurar consensos, basta ver a quantidade de vezes em que se atribuem prémios ex-aequo. O júri tem de assumir uma escolha, custe o que custar. Tem de haver uma obra vencedora, nós fazemos várias reuniões para chegar a um vencedor. Este ano foi mais fácil por ser clara a diferença de qualidade.” Também por isso, defende que o prémio deve ser entregue todos os anos e quanto a chamarem-lhe popular ou privilegiando obras mais fáceis, basta ver as vendas» («Retrato de um escritor quando mesmo muito jovem», Isabel Lucas, «Ípsilon»/Público, 14.11.2014, p. 10).

      Podia ser, mas não é assim que se escreve: é uma locução adverbial — locução, repito — latina. Talvez um dia ex æquo seja aportuguesada em ex-équo, como ex libris o foi em ex-líbris. Por enquanto, sem culpa nossa, é locução.

 

[Texto 5262]