16
Dez 14

Títulos mal traduzidos

E agora é tarde (ou talvez não)

 

     O tradutor verteu o título em francês La Généalogie de l’homme por A Descendência do Homem, o que não me soava. Entre nós, o título é A Origem do Homem, embora a tradução correcta seja A Ascendência do Homem, ou não? Claro que não podemos retroagir, excepto no que diz respeito ao nosso tradutor.

 

[Texto 5375] 

Helder Guégués às 15:22 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Não concordam

Hoje é que aprendem, não é?

 

      Ora cá está um erro muito frequente, que até em obras revistas (?) vejo. No original lê-se isto: «En 2009, 48 % des Américains estiment, etc.» O tradutor, homem ou mulher decerto muito inteligente, verte assim: «Em 2009, 48 % dos norte-americanos defende, etc.» Uma máquina faz isto melhor.

 

[Texto 5374]

Helder Guégués às 15:06 | comentar | favorito
16
Dez 14

«À vista desarmada»

Filhos da França

 

      Os telescópios, lê-se no original francês, «se profilent à l’horizon et qui permettent de distinguer des objets célestes des millions de fois moins lumineux que l’étoile la plus faible visible à l’œil nu». O tradutor, e muito bem, verteu por «à vista desarmada». Nos jornais, é como se estivessem a traduzir à letra: «Os cientistas confirmaram que há dois tipos de detritos de plástico nos oceanos: as placas de dimensões consideráveis, visíveis a olho nu, que se concentram sobretudo junto às áreas costeiras; e as partículas de plástico, resultantes da erosão causada pelas correntes oceânicas nestes materiais» («Uma gigantesca “sopa” feita com 270 mil toneladas de plástico», Pedro Sousa Tavares, Diário de Notícias, 12.12.2014, p. 24).

 

[Texto 5373]

Helder Guégués às 10:25 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,