Tradução: «creepy»

Só isso? Arrepiante

 

      «Björk no museu não é a Björk dos discos, do palco, dos ecrãs. É um produto acabado pronto a vender sem sugerir questões. Mas vender a quem? Os fãs mais existentes, alvo preferencial desta exposição, facilmente se sentirão defraudados ao ver que estão apenas perante um desfile garrido de factos com algumas opções estéticas na fronteira do creepy, perdoem o termo inglês» («Já acabou?», «Ípsilon»/Público, 13.03.2015, p. 7).

      Eu não perdoo, mas cada um fale por si. Nem o português perdoo: «Os fãs mais existentes»? Creepy é arrepiante, horripilante, inquietante, sinistro, é isso? E para isso é preciso recorrer ao inglês?

 

[Texto 5654]

Helder Guégués às 21:59 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,