23
Abr 15

Léxico: «pente de balas»

Coisas da tropa

 

    «O fotógrafo Rui Castro e o modelo Cristina Freire, de 21 anos, munidos de equipamento autêntico — farda, botas. Capacete, bazuca e pente de balas de metralhadora — fornecido por um amigo, instrutor militar que o requisitara no Depósito Militar de Beirolas, procuraram quartéis sem sentinelas à porta de armas, fizeram as fotografias e foram vendê-las à Élan, cujo director, este modesto escriba, as adquiriu sem hesitar» («As fotos que irritaram a tropa», Alexandre Pais, Sábado, 23.04.2015, p. 110).

 

[Texto 5786]

Helder Guégués às 23:53 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

«Moqueca/muqueca»

E agora?

 

      Para José Pedro Machado, moqueca é coisa do Brasil — guisado de peixe ou de marisco condimentado com coco ou azeite e pimenta. O mesmo que muqueca, acrescenta, embora (ai a memória desta gente!) neste verbete já seja o acepipe brasileiro, feito de peixe, camarões e pimenta. O Dicionário Houaiss diz mais ou menos o mesmo: omite o segundo, mas como na informação etimológica do primeiro refere «muqueca», deduz-se que é tudo o mesmo. Agora o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora: moqueca é o «guisado de peixe ou marisco», da cozinha brasileira; muqueca, o «guisado de peixe com fatias de pão torrado», e pertence à cozinha angolana. Claro que o étimo é quimbundo, e temos de ter isso em consideração, mas, para Luís da Câmara Cascudo, moqueca, muqueca e pouqueca é tudo o mesmo. Para Rebelo Gonçalves, moqueca é o guisado brasileiro e muqueca um montículo de terra.

 

[Texto 5785]

Helder Guégués às 22:26 | comentar | ver comentários (1) | favorito
23
Abr 15

«À la», de novo

Não era óbvio

 

      «Note-se que não quero estar aqui a forçar paralelismos, por muito popular que o professor Boaventura seja na América Latina e muito amor exale pelos regimes bolivarianos. Felizmente, vivemos num país onde os
cantos de sereia da esquerda à la Podemos atingem uma fatia muito pequena do eleitorado» («Espanha e a ciência cri-cri», João Miguel Tavares, Público, 23.04.2015, p. 48).

      Já tivemos oportunidade de falar aqui desta locução adverbial, à la, ou seja, à maneira de, no estilo de, à. Não avisámos então, porque me parecia óbvio, que o que se segue não tem de vir em itálico.

 

[Texto 5784]

Helder Guégués às 10:16 | comentar | favorito
Etiquetas: ,