Sobre «bem-haja/bem haja»

Então e agora, como é que vai ser?!

 

 

«Raça de víboras! Como podeis falar de coisas boas, se sois maus?»

Mt 12,34

 

      Não sabia que já não há Pontapés na Gramática. Já não há pontapés na gramática... Tudo acaba. Foi no dia 25 de Setembro. Se eu fosse obcecado, não deixaria passar na altura sem dizer alguma coisa. Estamos, porém, sempre a tempo. A apresentadora do programa, na Antena 3, agradeceu a Sandra Duarte Tavares: «Uma palavra também a ti, Sandra, que me ajudaste e que me ensinaste, a mim, falo em mim como público, que me ajudaste e ensinaste a falar tão bem português, um bem-hajas por isso.» A falar tão bem português... Claro que não podemos assacar aos mestres também os erros dos discípulos. Já bastam os erros próprios dos mestres — continuamos à espera que sejam corrigidos os que estão em papel e na Internet, já que os que saíram da boca para fora não têm remédio —, não os sobrecarreguemos com estes. A falar tão bem português... Saiba Joana Dias que está errado «um bem-hajas». Como forma de agradecimento, bem-haja é substantivo, e a forma verbal que contém não se conjuga. Já na expressão, o verbo conjuga-se em todas as pessoas do singular e do plural: Bem hajas, Sandra, por te ires embora. Bem haja, Helder Guégués, não o vamos amaldiçoar por nos ensinar. Bem hajais, caríssimos ouvintes, por nos terdes aturado. Bem hajam os meus amigos por estarem atentos e denunciarem os falsos profetas.

 

[Texto 6412]

Helder Guégués às 10:10 | comentar | favorito
Etiquetas: ,