«A primeira-ministra»

Com cataclismo, a presidente

 

      «A investigadora [Carla Martins, do Centro Interdisciplinar de Estudos de Género e professora no curso de Jornalismo da Universidade Lusófona] recorda que a primeira vez que as questões de género emergiram na política portuguesa foi “em 1979, quando Maria de Lourdes Pintasilgo foi indigitada primeira-ministra” no V Governo Constitucional de iniciativa do Presidente da República António Ramalho Eanes, e “houve a abertura a dois sexos”, ou seja, “a política nacional passou a ter dois sexos”. Isto, apesar de formalmente Maria de Lourdes Pintasilgo “ainda ser chamada primeiro-ministro” na comunicação social, uma vez que se considerava que a palavra só tinha masculino» («Duas mulheres candidatas representam uma “viragem” na política portuguesa», São José Almeida, Público, 3.01.2016, p. 10).

      Como antes, na imprensa portuguesa (e na brasileira — vocês não são melhores, caros irmãos!), Indira Gandhi era «a primeiro-ministro da União Indiana». A não ser que haja um cataclismo (e não «cataclisma», como ultimamente ando a ver), não é desta que vamos ter uma presidente.

 

[Texto 6520]

Helder Guégués às 16:22 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,