11
Jan 16

Ortografia: «metanfetamina»

Tudo juntinho

 

      «Mas não foi esse o El Chapo* que Penn encontrou e com quem jantou e conversou durante sete horas. Em vez de diminuir o seu papel no mundo da droga, Guzmán gabou-se aos presentes: “Eu forneço ao mundo mais heroína, meta-anfetamina, cocaína e marijuana do que ninguém. Tenho uma frota de submarinos, de aviões, de camiões e de navios.”» («El Chapo conversou com Sean Penn, o entrevistador de vilões», Félix Ribeiro, Público, 11.01.2016, p. 23).

      Só por «por motivo de clareza ou de expressividade gráfica, por ser preciso evitar má leitura», como se lê no Acordo Ortográfico de 1945, é que seria assim. O elemento, contudo, nem sequer aparece enumerado. Logo, em rigor, seria metaanfetamina, porque a regra geral na composição de palavras é a aglutinação dos seus elementos. Os lexicógrafos, e, a meu ver, bem, optaram por metanfetamina, e é grafada desta maneira que a vemos nos dicionários.

 

[Texto 6536]

 

 

      * Como já hoje vimos, não precisa de itálico nem de aspas: El Chapo. Como Zizou e Zezé Camarinha.

Helder Guégués às 10:05 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Como grafar os hipocorísticos

Frequente, mas errado

 

   «Ainda é cedo para dizer se Zinedine Zidane será um treinador “galáctico”. Mas a primeira amostra é bem prometedora. Poucos dias depois de ter sido apresentado como o substituto de Rafa Benítez, “Zizou” triunfou no seu primeiro jogo como treinador do Real Madrid com uma goleada por 5-0 sobre o Deportivo da Corunha» («A segunda estreia de Zidane deu goleada», Marco Vaza, Público, 10.01.2016, p. 54).

    Está muito enganado, Marco Vaza, os nomes próprios, hipocorísticos, apelidos e pseudónimos não são grafados nem entre aspas nem em itálico.

 

[Texto 6535]

Helder Guégués às 00:20 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
11
Jan 16

Léxico: «hibridar»

Este é raro

 

      «E foram horticultores-empresários como Mulford B. Foster que permitiram comprar dezenas de espécies tropicais, como as que este arquitecto e botânico trouxe do Brasil em 1939-40 e começou a hibridar e a distribuir a partir do Tropical Arts Nursery em Orlando. Mas foram os editores e editoras de revistas de decoração americanas, que então se viravam para a América Latina como fonte de inspiração, que trataram de estimular o mercado» («A modernidade tropical lá de casa», Frederico Duarte, Público, 10.01.2016, p. 44). Não se vê com muita frequência. Hibridar é fazer a hibridação de animais ou vegetais, isto é, obter espécimes resultantes do cruzamento de espécies distintas.

 

[Texto 6534]

Helder Guégués às 00:07 | comentar | favorito
Etiquetas: ,