21
Fev 16

«Elefante numa loja de porcelanas»

Qual faria mais estragos?

 

      Mário Cláudio sobre Umberto Eco: «Ele foi não apenas um grande académico, um homem que teorizou sobretudo na área da literatura, especialmente com o seu conceito de obra aberta, mas foi também um antiacadémico, porque se interessou por matérias que não fazem parte do conhecimento bolorento das academias. Nessa medida, terá sido uma espécie de touro na loja de louça e terá derrubado algumas mistificações» (Bom Dia[,] Portugal, 20.02.2016).

    Nunca tinha lido ou ouvido esta expressão — apenas em inglês, like a bull in a china shop. Será mera e desnecessária tradução? As palavras são portuguesas, pois... Também Júlio Machado Vaz, volta não volta, diz «pôr-se nos sapatos do outro».

    «Daí que, com fleumática (e ironicamente fleumática) subtileza borgesiana, [Rhys] Hughes se apresente por vezes como o proverbial elefante numa loja de porcelanas» (da introdução à introdução de Luís Rodrigues a Uma Nova História Universal da Infâmia, Rhys Hughes. Tradução: Nuno Cotter. Viana do Castelo: Livros de Areia Editores, 2006, p. 16).

 

[Texto 6638]

Helder Guégués às 09:51 | comentar | ver comentários (6) | favorito
Etiquetas: ,
21
Fev 16

Léxico: «azuqui»

Só no Brasil

 

      Pelos vistos, é assim: «1 xícara de feijão-azuqui cozido em panela de pressão e escorrido» (Saladas, Caroline Bergerot. São Paulo: Editora Cultrix, 2011, p. 49). Cá, preferem azuki. Se tem k, w ou y, a preferência nacional é inevitavelmente essa. Também vejo que só no Brasil se escreve estrogonofe; cá, tinha de ser strogonoff, pois claro. Assim arrussalhado, com uma camada de verniz francês, até parece que sabe melhor. Era o prato preferido de Marcel Proust, esse grande escritor de cama.

 

[Texto 6637]

Helder Guégués às 00:21 | comentar | favorito