27
Mar 16

As levadas — da Madeira e de todo o País

De levada

 

      «“Convidaram-me para fazer uma levada [nome que designa não só os canais de irrigação da Madeira mas também os percursos pedestres ao longo dos mesmos], uma prática que é muito habitual na ilha. Adorei”», disse Ana Borges a Paula Freitas Ferreira («Ana Borges. Viciada em caminhadas», «Magazine Notícias»/Jornal de Notícias, 27.03.2016, p. 16).

      É e não assim. Claro que sempre se pode dizer «fazer isto e aquilo» com este sentido, mas não é, como se pode ser levado — de levada, isto é, precipitadamente — a crer, uma das acepções do termo. (Lembram-se desta pergunta?) Há levadas em todo o País, mas o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não deixa de referir a Madeira. O Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa não faz o mesmo.

 

[Texto 6714]

Helder Guégués às 22:34 | comentar | ver comentários (6) | favorito
Etiquetas: ,

«Jê Pê e não Jota Pê»

Juro que não sabia

 

      «Diz-se dele que é um dos grandes escritores de canções nascidos nos anos 1970. Mas JP Simões (Jê Pê e não Jota Pê), João Paulo Nunes Simões, esteve perto de se chamar Alcino» («JP Simões», Paula Freitas Ferreira, «Magazine Notícias»/Jornal de Notícias, 27.03.2016, p. 14).

      Vá lá a gente saber. Outros há que são Jota Pê e não Jê Pê. Mas está bem. Fiquem com o Tango de Antigamente.

 

[Texto 6713]

Helder Guégués às 20:59 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Léxico: «linha de reconhecimento»

Um caso de polícia

 

      «De acordo com a edição online do jornal belga “Het Nieuwsblad” [“O Jornal de Notícias” em flamengo], o suspeito comportou-se de forma estranha nos interrogatórios — recusou ceder DNA, dar impressões digitais e participar na linha de reconhecimento, em que seria exposto a várias testemunhas» («Taxista reconhece terceiro suspeito», Nuno Miguel Ropio, Jornal de Notícias, 27.03.2016, p. 30).

      Não custava nada escrever ADN, mas que querem? A linha de reconhecimento podia estar nos dicionários. No Het Nieuwsblad, a palavra usada é herkenningsproef e, entre parênteses, a palavra em inglês, line-up. Também não resistem. (Nesta língua, também se diz identification parade e identity parade.) Infelizmente, nem sequer nos dicionários bilingues se encontra a expressão, o que conduzirá forçosamente a disparates. Em francês é tapissage. Em castelhano, rueda de presos ou rueda de reconocimiento, e está no dicionário.

 

[Texto 6712]

Helder Guégués às 19:27 | comentar | ver comentários (2) | favorito

Léxico: «teleteatro»

É só teatro

 

      «É “A peça que faltava”. O teleteatro regressará à televisão portuguesa a partir de setembro, pela mão da RTP2, que está a gravar o ciclo, para já com seis episódios — de 25 minutos — assegurados» («Teleteatro de volta três décadas depois», Ana Isabel Pereira, Jornal de Notícias, 27.03.2016, p. 36).

      Preferia que fosse teatro radiofónico, como havia dantes cá e não deixou de haver na Grã-Bretanha. Mas está bem. Agora teleteatro tem de ir para os dicionários.

 

[Texto 6711]

Helder Guégués às 18:31 | comentar | ver comentários (1) | favorito
27
Mar 16

Léxico: «couto mineiro»

Medievo

 

    «O arame farpado colocado 
por cima do portão de acesso ao abandonado couto mineiro está coberto de ferrugem, testemunha dos anos que passaram desde que o último carregamento de carvão deixou o Pejão, em Dezembro de 1994. António Pinto tinha 32 anos, cinco filhos pequenos e ficava desempregado. Mas o que perdeu, diz hoje, foi muito mais do que o ordenado ao fim do mês. Foi toda uma forma de vida, que só existia ali, depois de cruzar a entrada
da mina, depois de atravessar o primeiro túnel e dobrar a esquina que escondia, em definitivo, a luz do dia» («Noutra vida eu fui mineiro», Patrícia Carvalho, Público, 27.03.2016, p. 31).

     Couto mineiro é uma locução interessante, certamente, tem um certo sabor medieval, mas com o Decreto-Lei 88/90 passou a usar-se unicamente a designação de mina. Pelo menos fica-se a saber do que se trata.

 

[Texto 6710]

Helder Guégués às 15:53 | comentar | favorito
Etiquetas: ,