08
Abr 16
08
Abr 16

Um desleixo quotidiano

Público e notório

 

      «O mesmo profissional de saúde vai mais longe: “Há pessoas que aparecem aqui e dizem ‘Sou transexual, quero mudar de nome’. Depois não são e nós não passamos [o relatório] e ficam muito zangados. São travestis, doentes mentais”.
 Mesmo assim, metade dos profissionais de saúde entrevistados mostraram-se favoráveis ao afastamento dos médicos do reconhecimento legal da identidade de transsexuais e transgénero - tal como já sucedeu na Argentina, na Dinamarca, em Malta e na Irlanda. Chamam-lhe o princípio da autodeterminação - que, segundo os autores do trabalho do ISCTE, vai de encontro às recentes mudanças no paradigma clínico internacional, que limitam os diagnósticos sobre quem quer mudar de género no registo civil à descrição de uma experiência de sofrimento clinicamente relevante, e não à sua identidade» («Há quem enfrente ilegalidades quando muda de sexo no Registo Civil», Ana Henriques, Público, 8.04.2016, p. 14).

      Ana Henriques, se relesse pelo menos uma vez o que escreve, estas pequenas coisas saíam melhor. É para nós escolhermos? Está bem: é transexual. Procure saber a diferença entre hífenes e travessões. E o princípio da autodeterminação vai mesmo de encontro às mudanças no paradigma clínico internacional ou será que vai ao encontro dessas mudanças?

 

[Texto 6730]

Helder Guégués às 08:16 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
07
Abr 16

Palavra do dia

Desestocagem.jpg

 

Que palavra... Bem, antes desestocagem do que destocking.

(A Maria não soube pronunciá-la.)

 

Helder Guégués às 21:33 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Tradução: «deerstalker»

E o chapéu?

 

      «Com o seu típico boné de caçador e o cachimbo, Wilmer tornou-se muito popular com a personagem criada por Arthur Conan Doyle numa série que teve êxito na cadeia britânica BBC, na qual se estreou em 1964, com Nigel Stock no papel do seu companheiro Watson» («Morreu o “Sherlock Holmes” dos anos 60», TSF, 2.04.2016).

      De deerstalker, o Dicionário de Inglês-Português da Porto Editora diz que é o «caçador de veados» e «chapéu à Sherlock Holmes», acepções que nem todos os dicionários de língua inglesa registam. E que registam? Pois que é o caçador, em especial de veados, e este típico chapéu de caçador. Alguns lembram que é o chapéu de Sherlock Holmes. Chapéu, e não boné.

 

[Texto 6729]

Helder Guégués às 19:59 | comentar | favorito
07
Abr 16

Bolçar no Facebook. Um caso triste

Escrever sem pensar nem saber

 

      Acabaram de me dizer que João Soares, na sua página do Facebook, prometeu uns pares de estalos a Augusto M. Seabra e a Vasco Pulido Valente. Valente. Fui ver. Acusa o primeiro de ter voltado a bolçar no Público outras aleivosias. Nos muitos comentários que se seguem, há um de um tal José Tomaz Mello Breyner — seguido por 2605 pessoas —, que quer ensinar o ministro a escrever: «Senhor Ministro da Cultura, saiba Vossa Excelência que “bolçado” se escreve com S e não com Ç. Dê lá as bofetadas mas pelo menos escreva Português correctamente.» Francamente! Como é que alguém se atreve a criticar sem se certificar? Está completamente errado, Sr. Mello Breyner: no sentido usado por João Soares, é mesmo com ç, bolçar. Pobres seguidores...

 

[Texto 6728]

Helder Guégués às 10:23 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
06
Abr 16

Homem, já temos «fibra» e «estaleca»!

Agradecemos, mas não precisamos

 

      «É uma das piadas do ano. Passos Coelho
 não tem estamina para “um novo ciclo político”, mas o braço direito [sic] de Durão Barroso e de Pedro Santana Lopes tem. É uma lógica admirável, do tipo: como já vai faltando energia à minha avó, vou substituí-la pela minha bisavó» («O tempo corre a favor de Passos», João Miguel Tavares, Público, 5.04.2016, p. 48).

      Compulsamos alguns dicionários, e nada. O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não sabe do que se trata. Tão-pouco o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa o regista. Até ao Sr. Sacconi — que chegou a pensar ter feito o maior e melhor dicionário da língua portuguesa — passou ao lado. Eu não sei se teria lugar no Grande Guégués da Língua Portuguesa. Regista-o — mas com a grafia estâmina — o Dicionário Houaiss (2003): «capacidade vital de resistência, esp. a manutenção por longo tempo de uma actividade ou esforço». Foi adaptado do inglês, e o étimo latino, que significa fibra, filamento, é o mesmo da nossa «estamenha». Ora, já temos, para significar o mesmo, fibra e, em certo registo, estaleca.

 

[Texto 6727]

Helder Guégués às 11:38 | comentar | ver comentários (7) | favorito
Etiquetas: ,
06
Abr 16

«Safra/contra-safra/entressafra»

Falta sempre alguma

 

      «Além disso, Alexandra Correia, que estuda estes ciclos de safra e contra-safra (boas e más colheitas), lembra que depois de “um ano de safra excepcional é natural que se registe uma quebra”. Ainda assim, nota, Portugal continua a ser o país que tem a maior produção de pinha por área» («Eles querem saber como, quando e onde ataca em Portugal o sugador de pinhas», Andrea Cunha Freitas, Público, 6.04.2016, p. 27). Safra todos os dicionários registam. Mas temos mais dois termos relacionados, contra-safra e entressafra. O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora regista o primeiro, mas não o segundo. O Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa regista o segundo, mas não o primeiro. Ora, «entressafra» é somente usado, ao que parece, no Brasil, pelo que seria mais natural que estivesse ausente de um dicionário publicado em Portugal. (Cá está uma coisa pouco lógica na ortografia do AO45: «contra-safra», mas «entressafra».)

 

[Texto 6726]

Helder Guégués às 09:42 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
05
Abr 16
05
Abr 16

Léxico: «corujar»

Um pouco todos os dias

 

      Se todos os dias aprendermos uma coisinha que seja, sobre a língua ou sobre qualquer outro aspecto da vida, já não será mau. Ia jurar que a palavra corujar não existe e... a verdade é que existe. O corujar é mesmo o som que a coruja emite. Nem sei se há outros casos assim.

 

[Texto 6725]

Helder Guégués às 22:33 | comentar | ver comentários (4) | favorito
Etiquetas: ,