08
Jul 16

«Nógado/nogado»

Queremos os dois

 

      «Quando puder trabalhar a massa enforme em rolo. O nógado deve ser servido depois de frio» (Doçaria dos Conventos de Portugal, Alfredo Saramago e Manuel Fialho. Lisboa: Assírio & Alvim, 1997, p. 88).

    Os dicionários — erradamente, diga-se — insistem em registar somente «nogado». Ora, pelo menos no Sul, e é de lá que este doce provém (e o étimo, como já aventei, será castelhano), é pronunciado como esdrúxulo. Se lhe quiserem tirar o acento, tirem-no também, por exemplo, de «fígado» — são capazes? A semelhança é perfeita, sobretudo para quem lhe vislumbra como étimo nogatum. É que «fígado», de ficătum, também devia pronunciar-se com acento no a, por ser uma forma participial em -ado. Senhores lexicógrafos, vamos lá registar as duas variantes.

  

[Texto 6943]

Helder Guégués às 19:33 | comentar | favorito
08
Jul 16

As normais e as outras

Seis cavalos a passo curto

 

      «Em Dezembro de 2017 a autarquia espera ter o projecto a funcionar em plenitude, contando dispor, nessa data, de 1200 bicicletas, normais e eléctricas, 150 lugares de estacionamento e dois mil suportes de estacionamento para as bicicletas» («Estacionar, andar de bicicleta e de autocarro vai ser mais fácil em Cascais», Liliana Borges, Público, 7.07.2016, p. 18).

      Habitualmente, é de bicicletas eléctricas e bicicletas convencionais que se fala. Dentro de um ano, 70 km de ciclovias em Cascais, nada mau. Só é pena os peões não se desviarem quando vamos de bicicleta. Na semana passada, foi a ciclovia da Areia que, depois de uma curva, vi transformada em hipovia, mas as simpáticas cavaleiras, que iam para o Real Clube de Campo D. Carlos I, pediram desculpa.

 

[Texto 6942]

Helder Guégués às 15:36 | comentar | favorito
Etiquetas: ,