14
Jul 16

Léxico: «macrofauna», «meiofauna»

Está aí alguém?

 

   «Os dragões do lodo integram a fauna que vive nos sedimentos arenosos e lodosos nas linhas costeiras e que tem sido um tanto esquecida pela ciência. “Nas últimas décadas, tem sido dada atenção ao estudo da macrofauna aí existente (como anémonas, caranguejos, estrelas-do-mar), o que contrasta com a pouca disponibilidade para o estudo de animais entre um milímetro e 38 micrómetros — a chamada ‘meiofauna’. São exemplo desta comunidade pequenos crustáceos e vermes marinhos”, explica Ricardo Neves» («Há novos dragões do lodo no Algarve e isso é um bom sinal», Teresa Firmino, Público, 14.07.2016, p. 25).

   E nos dicionários? No de sempre — de sempre porque tem acompanhado gerações e reúne todas as condições para ser o melhor, o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora —, vemos microfauna, mas não macrofauna (mas, numa incongruência já nossa conhecida, o Dicionário de Português-Inglês e o de Dicionário de Português-Alemão registam-no), nem tão-pouco meiofauna. Por que esperam?

 

[Texto 6955]

Helder Guégués às 19:18 | comentar | ver comentários (7) | favorito
Etiquetas: ,

Acepção: «ilha»

Será um dia

 

      «O Porto tinha 150 mil pessoas (grande parte a morar em ilhas) e a tiragem do JN era de 22 mil exemplares» («Exposição retrata a peste bubónica e o cerco do Porto», Miguel Amorim, Jornal de Notícias, 14.07.2016, p. 20).

      Muito bem — e sem aspas! A definição desta acepção de «ilha» (que vimos aqui) é que ainda não é a melhor nos nossos dicionários.

 

[Texto 6954]

Helder Guégués às 18:45 | comentar | favorito
14
Jul 16

Léxico: «toca e anda»

Agora já sabemos

 

   «O avião estava a operar em exercícios de “toca e anda”, com simulação de aterragem e descolagem e consequentes abortagens» («Despiste do C130 partiu depósito», Ana Correia Costa e Carlos Varela, Jornal de Notícias, 14.07.2016, p. 25).

      Já tínhamos falado disto aqui. Não precisa de aspas, claro — toca e anda (touch-and-go, para a legião de anglófonos que nos segue).

 

[Texto 6953]

Helder Guégués às 17:55 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas: ,