Como se traduz nos jornais

Nem em Marte

 

      «Com estas poupanças, Musk estima pedir entre 180.000 e 90.000 euros por pessoa para a viagem a Marte. Mas como é que os colonos vão sobreviver lá? O dono da SpaceX não responde, argumenta que o importante é criar um sistema de transportes entre os dois planetas. “É então que vai florescer uma quantidade tremenda de empreendedorismo e talento”, diz, sugerindo que as empresas irão resolver os problemas de viver lá. Mas assume o risco. “Penso que a primeira viagem a Marte será muito perigosa. O risco de fatalidades será alto.”» («Entre a realidade e a ficção, estamos todos a caminho de Marte», Nicolau Ferreira, Público, 15.10.2016, p. 37).

      Caro Nicolau Ferreira, então fatality não é, no contexto, «acidente mortal»? Ai, ai... «The risk of fatality will be high.» Dos jornalistas quero mais cuidado. De Elon Musk, só quero um exemplar do Tesla S P90D, de preferência com uma actualização para o ludicrous mode.

  

[Texto 7159]

Helder Guégués às 22:51 | comentar | favorito
Etiquetas: ,