Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Tradução: «déprime»

Não é comigo

 

      Sim, o que quero saber é como traduzir o termo coloquial francês déprime, sobretudo numa frase assim: «Petite déprime ou grande dépression?» Talvez com o simples recurso a um diminutivo se resolva a questão: «Depressãozinha ou grande depressão?» Ou então traduzir déprime por «tristeza», porque «angústia» me parece excessivo. Aceitam-se propostas.

 

[Texto 7264]

À volta de «subscrição»

Não merecia

 

      No cartaz de cinema da edição de hoje do Público (p. 34), fala-se, a propósito de certo filme, de «um grupo de rapazes e raparigas que, como forma de sustento, viajam pelos EUA a vender subscrições de uma revista». Sem a condenar explicitamente como alienígena, um leitor escreveu-me para me dizer que «subscrição», nesta acepção, era digna de figurar no artigo «A praga dos vocábulos estrangeiros que não sabemos usar. Está Portugal perdido na tradução?», de José Carlos Fernandes, publicado no Observador. Não posso concordar. A acepção encontra-se, por exemplo, no Aulete original: «Promessa de tomar um ou mais exemplares de uma obra prestes a publicar-se ou em via de publicação por um preço convencionado; assinatura.» Subscrever, subscrição, subscritor...  Era vulgaríssima, tanto quanto me recordo, no século XIX. Na correspondência entre Camilo e Vieira de Castro, leio: «Quer um traço da vilania destes cafres? Andou uma comissão ad hoc por portas, pedindo aos subscritores do Mundo Elegante que me despedissem. A intenção é cortar-me os recursos que me provinham daquele jornal.»

 

[Texto 7262]

Léxico: «cabimentação»

Não coube

 

      «Até 2012, existiam descontos no passe 4-18, que abrangia
 a franja de estudantes que agora ficam a descoberto, apesar de estarem em idade
de escolaridade obrigatória. Existia a expectativa de que este benefício fosse recuperado, mas, apesar das investidas da esquerda, a ideia não vingou por falta de cabimentação orçamental» («Jovens dos 13 aos 17 anos sem descontos», R. A. C. e I. B., Público, 22.11.2016, p. 2).

      Ora cá temos mais um termo, e não pouco usado, que não coube no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora nem no Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa, que também não acolhem o verbo cabimentar, isto é, incluir num orçamento.

 

[Texto 7261]