Ortografia: «erre»

Os erres da ortografia

 

      «Eu tenho um problema com a articulação dos érres entre vogais. Quando digo “pereira” sai-me “pegueiga”» («Entre Trump e Fidel, Louçã balança», João Miguel Tavares, Público, 15.12.2016, p. 44).

      De certeza que tem outros problemas. Eu ajudo no diagnóstico: não sabe escrever o nome da letra r. Ah pois não. É erre. «Ingénua, arrasta os erres. Aprofunda pouco de pouco, discute um pouco de tudo. Com graça e malícia. Habitualmente usa saias curtas e justas, cabelo apartado ao meio e preso com bandolete. Raro põe sutiã, de que não precisa» (Os Dias do Fim, Ricardo de Saavedra. Alfragide: Casa das Letras, 3.ª ed., 2014, p. 46). Em rigor, bastava citar a primeira frase, mas o sutiã também ajuda a nacionalizar a ortografia da palavra, e até serve para comunicar — por associação de ideias, como qualquer analisando sabe — a todos que o Trombinhas, na Conde Redondo, fechou. Oh!

 

[Texto 7328]

Helder Guégués às 09:27 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,