21
Fev 17

«Grão-mufti/grande mufti»

Tête de bois

 

      «“A mais alta autoridade sunita do mundo não me fez essa exigência. Por isso não vejo que tenha qualquer razão para... Mas não é grave, transmita ao grand mufti os meus respeitos mas não me vou tapar”, disse Marine Le Pen ao membro do gabinete do xeque Abdelatif Derian» («Marine Le Pen recusa usar véu islâmico no Líbano», TSF, 21.02.2017, 12h17).

      O jornalista tinha duas maneiras de acertar em português — deixou em francês. É grão-mufti ou grande mufti. Também ajudava que todos os dicionários registassem — como faz o Aulete — o vocábulo «grão-mufti».

 

[Texto 7496]

Helder Guégués às 13:15 | comentar | ver comentários (3) | favorito

«Churra mondegueira»

Até à extinção

 

      «Segundo o seu presidente [Associação Nacional de Criadores de Ovinos da Serra da Estrela], Manuel Marques, em 2012 havia cerca de 120 mil ovelhas das duas raças autóctones de cujo leite é feito o queijo com denominação de origem protegida (DOP): “bordaleira” e “churra mondegueira”. Hoje, são 75 mil as cabeças existentes» («Queijo da Serra em risco. Há cada vez menos ovelhas», Rádio Renascença, 21.02.2017, 10h13).

      O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, mas não é o único, regista churro e bordaleiro, sim, mas não mondegueiro, e, logo, também não acolhe «churro mondegueiro». É triste: ainda esta raça acaba e nem chegou a estar nos dicionários! A mondegueira é a que vive nas faldas da serra da Estrela. Meu Deus, quantas palavras fora dos dicionários, quanto conhecimento!

 

[Texto 7495]

Helder Guégués às 11:03 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
21
Fev 17

«Luz», uma acepção

Na sombra

 

      «Mais de oito mil portugueses produzem luz para autoconsumo» (Ana Brito, Público, 20.02.2017, p. 18). Luz por electricidade é usado todos os dias e por quase todos os falantes — e não está nos dicionários. Não devia estar?

 

[Texto 7494]

Helder Guégués às 08:50 | comentar | ver comentários (2) | favorito