Como se escreve nos jornais

Minusculizai

 

      «O Verão faz-se sentir com intensidade neste enclave abraçado entre a cordilheira da serra da Marofa, do vale do Côa e os socalcos do Douro, onde o Côa e o Águeda rasgam a paisagem que se desenha entre profundas escarpas graníticas. A reserva da Faia Brava vai à escarpa (faia significa escarpa) buscar o nome mas também a sua razão de ser. É que aquelas grandes rochas são um porto seguro para o grifo, o abutre-do-Egipto, a águia-de-Bonelli ou a águia-real que ali acabam por nidificar, e foram mesmo estes bichos que acabaram por animar o trabalho de conservação e de gestão sustentável desta área protegida cujos responsáveis acreditam que a preservação da natureza também depende dos cidadãos» («Reserva da Faia Brava pede apoio para manter o fogo à distância», Cristiana Faria Moreira, Público, 20.08.2017, p. 12).

      Quase, Cristiana Faria Moreira, quase: abutre-do-egipto, águia-de-bonelli. (Na Infopédia, o primeiro encontramo-lo no Dicionário da Língua Portuguesa e o segundo no Dicionário de Português-Espanhol. É impressionante!) E, ao que me parece, faial é que significa despenhadeiro, alcantil, e não faia.

 

[Texto 8110]

Helder Guégués às 06:45 | comentar | favorito
Etiquetas: ,