26
Nov 17

A falta que faz a revisão

Entre muitos, muitos outros

 

      «Aperta a mão ao presidente da Academia Sueca das Ciências, recebe o Prémio Nobel da Física, ouve com atenção o encumeástico discurso» (Os Sonhos de Einstein, Alan Lightman. Tradução de Ana Maria Chaves. Alfragide: Edições Asa, 10.ª ed., 2010, p. 65).

      Nem sempre é boa ideia divergir muito do original. Neste caso, está «listens to the glorious citation». Assim, conseguiu dar dois erros numa só palavra. É obra. Vamos lá: en.co.mi.ás.ti.co. Ou seja, é bom que não afirmem que o livro foi revisto. E ia na 10.ª edição...

 

[Texto 8400]

Helder Guégués às 21:42 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Quando os países mudam de nome

Um país dividido

 

      «Birmânia impõe restrições à imprensa durante visita do papa» (TSF, 26.11.2017, 12h45). «Papa pede orações pelo Egipto e pela sua viagem ao Myanmar e ao Bangladesh» (Filipe d’Avillez, Rádio Renascença, 26.11.2017, 11h12).

 

[Texto 8399]

Helder Guégués às 20:44 | comentar | favorito
Etiquetas:

Falemos de verbos

À 13.ª será de vez

 

      «Um homem dirige-se apressado para o Bundeshaus, mas de súbito detem-se, leva as mãos à cabeça, grita excitadíssimo, dá meia volta [sic] e corre na direcção oposta» (Os Sonhos de Einstein, Alan Lightman. Tradução de Ana Maria Chaves. Alfragide: Edições Asa, 10.ª ed., 2010, p. 55). «A estação central dos correios não se mantem estática em Postgasse, mas, pelo contrário, voa através da cidade sobre carris, como um comboio» (idem, ibidem, p. 58). «Ninguém se senta debaixo de uma árvore a ler um livro, ninguém se detem a olhar a ondulação que encrespa a superfície do lago, ninguém se deita no campo, na relva que cresce» (idem, ibidem, p. 58). «Há quem garanta que só a grande torre do relógio de Kramgasse nunca marca o tempo verdadeiro, que só ela se mantem imóvel» (idem, ibidem, p. 60).

     Chega, chega, chega: já vimos que é mesmo convicção. Errada, mas convicção. Então, saiba a tradutora que a 3.ª pessoa do singular do presente do indicativo dos verbos derivados de ter e vir leva acento: contém, detém, mantém, obtém, provém, intervém, convém, entretém. O revisor (este livro foi revisto?) já deve ter sido despedido, não precisa de aprender mais. E era a 10.ª edição...

 

[Texto 8398]

Helder Guégués às 20:21 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Ortografia: «predeterminado»

Este repete-se muito

 

      «O primeiro é irredutível, pré-determinado. O segundo vai tomando decisões à medida que avança» (Os Sonhos de Einstein, Alan Lightman. Tradução de Ana Maria Chaves. Alfragide: Edições Asa, 10.ª ed., 2010, p. 19).

      Este é um erro que vejo muito. Está bem, a tradutora até pode estar, estranhamente, a borrifar-se para a ortografia —— mas, e o revisor? É predeterminado. Não devia fugir muito ao original: «The first is unyielding, predetermined.» Outras vezes, porém, é ao contrário, devia fugir ao original: «Estão até convencidas de que o ar rarefeito é bom para a saúde e, por essa lógica, adoptaram dietas rectrictivas, rejeitando todos os alimentos que não sejam extremamente leves» (idem, ibidem, p. 24). É verdade que noutras línguas neolatinas tem c, mas eu não tenho a culpa. E era a 10.ª edição...

 

[Texto 8397]

Helder Guégués às 15:46 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

«Obrigado/obrigada»

Ainda neste patamar?

 

      «Donald Trump diz que foi contactado pela [revista] Time para, “provavelmente”, ser a “Pessoa do Ano” em 2017, mas que recusou. A revista nega. [...] Trump escreveu que recusou o convite porque “teria de concordar com uma entrevista e uma grande sessão de fotografias. Disse que provavelmente não seria bom e passei. Obrigada de qualquer forma”» («Trump diz que recusou ser “Pessoa do Ano”, Time nega», Rádio Renascença, 25.11.2017, 16h20).

      Vão sempre dizendo que sabem, mas depois é o que se vê. Se se tratasse de Melania Trump, punham-na provavelmente a dizer «obrigado».

 

[Texto 8396]

Helder Guégués às 10:08 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «acausal»

Essa é a questão

 

      «Neste mundo acausal, os cientistas nada podem» (Os Sonhos de Einstein, Alan Lightman. Tradução de Ana Maria Chaves. Alfragide: Edições Asa, 10.ª ed., 2010, p. 29).

      Não, aqui não se trata de nenhum erro de tradução. Ou sim? Bem, depende da perspectiva. Desde sempre li e ouvi a palavra acausal, e, contudo, ao que creio, nenhum dicionário geral da língua portuguesa a regista. Vem do inglês («Not governed or operating by the laws of cause and effect», lê-se no Oxford Dictionary), sim, mas podemos passar sem ela?

 

[Texto 8395]

Helder Guégués às 09:56 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «nhac»

Cabem todas

 

      «– Qual quê! É uma porcaria! Ainda por cima, os turistas usam aqueles cremes para queimar e deixam óleo na água, nhac! São uns porcos» (O Guarda da Praia, Maria Teresa Maia Gonzalez. Lisboa: Babel, 16.ª ed., 2013, p. 61).

      Os nossos dicionários, já o afirmei algumas vezes, estão muito mal servidos quanto a interjeições. O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não regista esta, e, no entanto, acolhe, por exemplo, nham, «exprime satisfação ou entusiasmo (sobretudo em relação a alimentos)». Num dicionário digital, cabem todas.

 

[Texto 8394]

Helder Guégués às 09:40 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

«Alpes Berninos»

Necessidades pontuais

 

      «Do terraço do Bundesterrasse a vista é admirável: o rio Aare, lá em baixo, e os Alpes Berninos nas alturas» (Os Sonhos de Einstein, Alan Lightman. Tradução de Ana Maria Chaves. Alfragide: Edições Asa, 10.ª ed., 2010, p. 28).

      Alpes Berninos nunca antes vira, mas isso não é, naturalmente, nenhum problema. Não vimos há dias jubano, que acabou por ir para o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora? Este só regista bernês e bernense. E não dei aqui conta recentemente da dificuldade em traduzir Berner Oberland? E a todos os tradutores acontece terem de usar uma palavra ou expressão que nunca antes ninguém escrevera.

 

[Texto 8393]

Helder Guégués às 09:35 | comentar | favorito

«Dar de caras com»

Não é para todos

 

      «É impossível passear numa avenida, estar parado na rua a conversar com um amigo, entrar num edifício, ou espreitar por baixo dos arcos de arenito de uma velha arcada, sem dar de cara com uma máquina do tempo» (Os Sonhos de Einstein, Alan Lightman. Tradução de Ana Maria Chaves. Alfragide: Edições Asa II, 10.ª ed., 2010, p. 25).

      As expressões idiomáticas é matéria quase impenetrável... Na 10.ª edição, já devia estar corrigido: é dar de caras com. Mais valia que traduzisse à letra, pois no original não está nenhuma expressão idiomática: without meeting.

 

[Texto 8392]

Helder Guégués às 09:06 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
26
Nov 17

Léxico: «cetogénico/cetogénio»

Outra grande falha

 

      Nos últimos tempos, tenho visto várias referência à dieta cetogénica, cuja definição vamos encontrar no Dicionário de Termos Médicos da Porto Editora: «Tipo de alimentação com grande quantidade de gordura que leva ao aparecimento de corpos cetónicos na urina. Tem sido utilizada no tratamento de nefropatias crónicas por baciluscoli ou na epilepsia.» Muito mais útil do que isto seria o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora registar o adjectivo cetogénico ou cetogénio, que, afinal, já a Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira acolhia: «Que é capaz de produzir cetose, que produz cetose. Alimentos cetogénicos. Alimentos que favorecem a formação de corpos cetónicos no organismo. São aqueles em que predominam as gorduras em geral ou certos aminoácidos (leucina, isoleucina, fenilalanima e tirosina).»

 

[Texto 8391]

Helder Guégués às 08:49 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,