15
Jan 18

Léxico: «sarauí/saaráui»

Tudo como dantes

 

      Um jovem engenheiro sarauí desenhou, nos campos de refugiados em Tinduf, Argélia, 26 casas redondas, ecológicas e sustentáveis, que resistem a calor, tempestades de areia e chuvas sazonais — e, em vez de tijolos, usou garrafas de plástico. Para o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora é que não há sarauís nem saaráuis. Tudo permanece como em 2013, quando falei aqui do caso: o dicionário da Porto Editora limita-se a registar «saariano», que remete para «sariano». O Dicionário Houaiss, por seu lado, acolhe tanto sarauita como saaráui (com a variante saráui).

 

[Texto 8584]

Helder Guégués às 23:38 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «extractivismo»

Não é só isso

 

      Não tem fim a ganância do capitalismo em relação às riquezas da Amazónia. O fito está na extracção das matérias-primas (extractivismo) do bioma amazónico para alimentar uma produção sem limites. Extractivismo... Pois é, no Dicionário da Língua Portuguesa, sem Acordo Ortográfico, da Porto Editora está grafado sem c, «extrativismo». E diz-nos que é brasileirismo. Seja, mas o sentido do termo que usei mais acima não é nenhuma das duas acepções registadas naquele dicionário: «1. Brasil qualidade de extractivo; 2. Brasil actividade pela qual se extraem produtos naturais de origem animal, vegetal ou mineral, com objectivos comerciais ou industriais». «Extractivismo» é a «qualidade de extractivo»? Não percebo nada. A acepção acima acolhe-a o Michaelis, que afirma que é pejorativa: «Extração de recursos naturais sem a preocupação de preservar as espécies ou de evitar um impacto ecológico.»

 

[Texto 8583]

Helder Guégués às 23:06 | comentar | ver comentários (2) | favorito

Léxico: «sauropsídeo»

Batemos a outra porta?

 

      O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não deixa entrar os sauropsídeos, coitados. Há décadas que por aí andam, foram acolhidos com alegria na Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira e no VOLP da Academia Brasileira de Letras, mas não são credenciais bastantes para a Porto Editora, que está assim a fechar a porta aos sonhadores, como Trump.

 

[Texto 8582]

Helder Guégués às 11:54 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «videógrafo»

Tem de mudar de profissão

 

      «É famoso pelos vídeos que faz nas suas viagens, um pouco por todo o mundo. O videógrafo italiano Oliver Astrologo passou por Portugal duas vezes, no último ano, e captou em vídeo a beleza de um país que lhe trouxe “emoções fortes”. De Lisboa ao Porto, passando por Sintra, Nazaré, Aveiro e com paragens na Serra do Buçaco, Guarda e Serra da Estrela, esta é uma viagem por Portugal em dois minutos» («A “inesquecível” beleza de Portugal pela lente do italiano Oliver Astrologo», Rádio Renascença, 14.01.2018, 18h09).

      Aposto que o Sr. Astrologo não sabe (para estes casos, os astros são mudos) que para o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não há videógrafos. Acho que querem que se diga videographer...

 

[Texto 8581]

Helder Guégués às 10:13 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
15
Jan 18

Trebizonda, rapaziada da RR

Eles sabem lá

 

      Já viram as imagens de um avião que falhou a pista e quase caiu na água, na Turquia? Na Rádio Renascença (aqui) escrevem que «o aparelho da Pegasus Airlines tentava aterrar no Aeroporto de Trabzon, na Turquia». Coitados, nunca ouviram falar em Trebizonda. Parece que só já nas agências de viagem sabem que sempre foi este o nome em português desta cidade turca que já teve vários nomes e variantes ortográficas.

 

[Texto 8580]

Helder Guégués às 08:35 | comentar | favorito
Etiquetas: ,