19
Fev 18

Léxico: «laranja»

Não pode ser

 

      «Ontem, ao encerrar o conclave laranja – e num discurso que suscitou pouca ou nenhuma emoção –, elencou meia dúzia de áreas que serão prioritárias na sua ação política. Disse a quem se dirige e o que oferece: “A classe média será o foco da nossa ação” e “os objetivos de natureza social são a meta que nos tem de orientar”» («Rio ignora intrigas e fala só para o país», João Pedro Henriques, Diário de Notícias, 19.02.2018, p. 4).

      Eu não quero, senhores lexicógrafos, que de hoje para amanhã a minha filha me venha perguntar o que é isso de «conclave laranja». Nós sabemos, pois claro, mas estão sempre a chegar novos falantes. Como é que o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, por exemplo, regista no verbete laranja um coloquialismo brasileiro e não acolhe este sentido?

 

[Texto 8769]

Helder Guégués às 22:22 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

As modalidades de esqui

Seria a última

 

      «Enterrado o fantasma que ameaçava persegui-lo para o resto da carreira – com a vitória de segunda-feira passada na prova de combinado a dar-lhe, por fim, um tão desejado primeiro título olímpico que teimava em faltar no seu currículo –, Marcel Hirscher acrescenta em Pyeongchang dimensão olímpica a uma lenda construída no esqui alpino ao longo da última década» («A lenda de Marcel Hirscher ganha dimensão olímpica», Rui Frias, Diário de Notícias, 19.02.2018, p. 37).

      Se tivesse de enumerar, assim de repente, as várias modalidades de esqui que existem, muito provavelmente esquecer-me-ia do esqui aquático — pois é precisamente o único registado no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora.

 

[Texto 8768]

Helder Guégués às 21:32 | comentar | ver comentários (1) | favorito

Léxico: «alquerque»

Mais uma prova da riqueza

 

      «Na rocha em frente, embora menos visível, surge outro serpenteado, existindo também figuras humanas através de picotados, enquanto mais abaixo um conjunto de pequenas covas escavadas no xisto parecem indicar um tabuleiro do ancestral jogo do alquerque, tendo sido já encontrados no concelho de Alandroal mais de 50 tabuleiros semelhantes, das épocas medieval, romana a da Idade do Ferro» («Arte rupestre do Guadiana tem cinco mil anos e já atrai visitas», Roberto Dores, Diário de Notícias, 19.02.2018, p. 15).

      O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora só regista a variante alguergue, mas, como se vê, faz mal. Não sou arabista, mas até diria que a variante alquerque está mais próxima do étimo.

 

[Texto 8767]

Helder Guégués às 21:00 | comentar | ver comentários (5) | favorito
Etiquetas: ,

Um mundo para explorar

Muito trabalho

 

      «Agora, a autarquia vai avançar com a construção de um Centro Interpretativo Mineiro de Jales, que vai incluir a recuperação do cavalete do poço de Santa Bárbara e a casa do guincho que permitiam a comunicação desde o solo às galerias mineiras» («Vila Pouca de Aguiar avança com centro interpretativo mineiro de Jales», Olímpia Mairos, Rádio Renascença, 19.02.2018, 9h43).

      Não vejo esta acepção de cavalete no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. Aliás, neste como noutros dicionários, faltam muitos termos relacionados com as minas. Por exemplo, a máquina que puxava o minério era constituída por duas grandes roldanas, as chamadas andorinhas — não está nos dicionários. Como não estão vagona, torva e quantos outros.

 

[Texto 8766]

Helder Guégués às 18:55 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Tradução: «equerry»

Sou todo ouvidos

 

      «The Queen has picked the first black man to hold the role of equerry, one of the most important positions in the royal household» («Queen picks the first black equerry: Ghanaian-born officer will be the most visible man by Her Majesty’s side as Prince Philip’s retirement looms», Alice Evans, Mail, 9.07.2017, 22h00).

      Uma coisa é saber o que significa, outra, bem diferente, é encontrar a melhor tradução. Equerry é então um funcionário da Casa Real britânica. Estão aqui a sugerir-me que se traduza por «assessor», mas não me convence. Traduzimo-lo por «alto funcionário»? «Assistente»? Veja-se aqui: «Ainda que ele fosse um “royal equerry” [ajudante de ordens da família real], Townsend não era visto como marido adequado para a princesa porque era divorciado, e o Palácio de Buckingham o transferiu para Bruxelas» («Noivado de Harry mostra que família real deixou escândalos no passado», Michael Holden, Folha de S. Paulo, 27.11.2017, 11h47). E aqui: «La reina Isabel II eligió por primera vez a un hombre negro como “equerry”, una suerte de escudero o asistente privado, con una posición muy importante dentro del protocolo de la casa real y muy cercano a ella» («Primera vez en la historia: Isabel II eligió un asistente privado negro», Clarín, 9.07.2017, 11h47). Também equacionei «ajudante-de-campo», mas com algumas dúvidas. E a propósito, não me parece que esteja correcta a definição deste termo no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora: «oficial-às-ordens de um general».

 

[Texto 8765]

Helder Guégués às 18:50 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «cefaleia em salvas»

Talvez enganados

 

      «Os doentes com cefaleia em salvas, regra geral, dizem que esta é a pior dor da sua vida. Nestas pessoas é muito frequente a ideação suicida, no entanto, o suicídio é raro”, explica o neurologista Martinho Pimenta» («Dor de cabeça. Crise súbita e severa pode durar 180 minutos», Daniela Polónia, Correio da Manhã, 17.02.2018, p. 22).

      Já aqui falámos da cefaleia em salvas, mas no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não vejo esta acepção de «salva». O termo, como referi então, é a tradução livre do inglês cluster headache. Já foi conhecida como cefaleia de Horton e cefaleia histamínica. Tradução livre, disse; talvez demasiado livre, libérrima. Já vimos que em inglês é cluster headache; em francês é céphalée en grappe; cefalea a grappolo em italiano; cefalea en racimos em castelhano...

 

[Texto 8764] 

Helder Guégués às 18:48 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «monobloco»

Menos secura

 

      «A Câmara de Vila Franca de Xira anunciou ontem que 82 famílias do Bairro Azul da Póvoa de Santa Iria vão ficar provisoriamente instaladas em monoblocos, durante a requalificação das habitações» («82 famílias da Póvoa de Sta. Iria em monoblocos», Correio da Manhã, 17.02.2018, p. 21).

      Talvez o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora exagere em concisão ao definir monobloco como o «que ou aquilo que é constituído por uma só peça». Aliás, ainda há outra acepção do termo, relacionada com os automóveis, que o dicionário também ignora.

 

[Texto 8763]

Helder Guégués às 18:44 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «difalia»

Duplicidades

 

      «Uma mulher, de 40 anos, descobriu que tinha uma duplicação do canal anal quando necessitou de fazer tratamento a dois abcessos no Hospital Distrital da Figueira da Foz. Os exames revelaram a existência de dois orifícios. O caso assume particular relevância por ser raro e foi relatado, pelos médicos que a acompanharam, no ‘Journal of Medical Cases’. A nível mundial há 60 casos detetados e a doente da Figueira da Foz é uma das mais velhas a serem diagnosticadas. A maioria é observada nos primeiros anos de vida» («Tem duplo canal anal», Correio da Manhã, 17.02.2018, p. 19).

      Aposto que os médicos a queriam conservar já em formol, mas a mulher é inteligente: «Segundo a publicação, a doente recusou ser operada.» A medicina tem certamente um nome específico para esta malformação. Quando se trata de dois pénis — e há vários casos em que ambos são funcionais —, o nome é difalia, vocábulo que o Dicionário de Termos Médicos da Porto Editora acolhe, mas define mal: «Duplicidade peniana.» Pode tratar-se apenas de duplicidade da uretra ou da glande, e ainda tem o mesmo nome.

 

[Texto 8762]

Helder Guégués às 18:42 | comentar | favorito
19
Fev 18

Léxico: «triquinelose»

E a outra?

 

      «A Direção-Geral de Alimentação e Veterinária divulgou, ontem, a imposição de novas medidas sanitárias para controlo do risco de transmissão de triquinelose ao homem e determinou [sic] os concelhos de Trás-os-Montes como área de risco» («Larvas levam no consumo de javali», João Saramago, Correio da Manhã, 17.02.2018, p. 18).

      O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora pensa que nos governamos apenas com triquinose, que é a única variante que regista, mas engana-se.

 

[Texto 8761]

Helder Guégués às 18:39 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,