Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

Léxico: «forno»

Incompleto

 

      «Trata-se de uma tradição secular que é comemorada há 14 anos pela Associação Lírios do Gerês, com uma passagem das mais de cem cabeças de gado de duas freguesias (Vilar da Veiga e Rio Caldo) pelo centro da estância termal do Gerês. [...] Jorge Príncipe faz a vezeira há 20 anos, já os avós a faziam. “Há sempre um chamado obrigatório no último domingo de abril entre os vezeiros, e dali marcamos os covais, que é quando vamos aos fornos (casas dos pastores no meio da serra) e arranjamos as fontes de água”, explica» («Gado do Gerês “emigra” para a serra em pastoreio comunitário», Miguel Midões, TSF, 13.05.2018, 10h29).

      O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não regista esta acepção de forno. Em compensação, acolhe vezeira, mas esta acepção de vezeiro só a encontramos no dicionário com o Acordo Ortográfico de 1990.

 

[Texto 9216]

Léxico: «horizontal»

Linha paralela ao horizonte?

 

      «Pilotados por Wolgang, entraram num cabaré atulhado de oficiais e soldados americanos, quase todos fardados, acompanhados de horizontais mais discretas que as do picadeiro, algumas delas novas e bonitas, de ombros esculturais, altas, musculosas como trapezistas, mas com as pálpebras avermelhadas pela insónia, falando o inglês económico dos quartos de aluguer» (A Noite Roxa, Urbano Tavares Rodrigues. Lisboa: Livraria Bertrand, 1956, p. 62).

      Senhores lexicógrafos, ponham-se no lugar do falante comum: como vai este saber que horizontal também significa meretriz? E ainda que o saiba, todos os sentidos e todos os vocábulos têm de ser registados nos dicionários.

 

 [Texto 9215]

Léxico: «dulceroso»

Quase ulceroso

 

      «Tinha além disso uma formação europeia, com qualquer coisa, é certo, de muito dulceroso e amassado, de pouco são» (A Noite Roxa, Urbano Tavares Rodrigues. Lisboa: Livraria Bertrand, 1956, p. 53).

      O mesmo que doce, dulçoroso. É galicismo, que o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não regista, nem eu recomendo que o faça, mas também é verdade que teriam de sair muitos outros galicismos dos dicionários. Não falta no VOLP da Academia Brasileira de Letras, por exemplo.

 

 [Texto 9214]

Léxico: «melíade»

Não uma, mas muitas

 

      O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, se regista dríade, náiade, napeia, oceânide, oréade, não regista melíade, cada uma das ninfas das árvores de fruto. Ora bolas!, tratadas como meliantes. Ah, mas também fecharam a porta a auloníade, alseíde, pegeia, etc. Em contrapartida, há-as duplicadas, hamadríade/hamadríada. Como em quase tudo, o registo destes vocábulos tinha de ser metódico, exaustivo.

 

[Texto 9213]