30
Jun 18

Léxico: «golpe»

Não pode ser

 

      «Ora, no recém-publicado “Portugal Lambareiro”, de Guilherme Felgueiras [Lisboa: Círculo de Leitores], os ingredientes da receita são: 100 g de manteiga, 300 g de açúcar, 6 ovos, 260 g de farinha de arroz (hélas!), 100 g de farinha de trigo, vagem de baunilha, casca de limão e um ‘golpe’ de aguardente. Ou seja, a farinha de arroz é central da receita — elementar! Para os que quiserem experimentar a receita, o método de execução contido no livro é elucidativo» («A união dos “átonos”», Fortunato da Câmara, «Revista E»/Expresso, n.º 2383, 30.06.2018).

      Quê, estão a falar a sério? O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não acolhe esta acepção de golpe? Não deve haver cozinheiro em Portugal inteiro que a não conheça. (Fortunato da Câmara, não gaste tantas aspas.)

 

[Texto 9531]

Helder Guégués às 22:03 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,

Léxico: «monotemático»

Sem desfalecer

 

      «Uma exposição [“Escutar as Águas”, obras da Colecção Schneider e de artistas portugueses] que parte de uma coleção monotemática francesa e se enriquece com obras de muito diversos artistas portugueses» («Mares cruzados», Celso Martins, «Revista E»/Expresso, n.º 2383, 30.06.2018).

      Monotemático. No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora: ✘. No VOLP da Academia Brasileira de Letras: ✔.

 

[Texto 9530]

Helder Guégués às 20:59 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,

Tradução: «dumpling»

Vejam-se as diferenças

 

      «Uma última nota para a curta da Pixar que será exibida no início da sessão [do filme The Incredibles]: “Bao”, de Domee Shi. Trata-se da história de uma solitária mulher de meia idade [sic] de ascendência chinesa que, um dia, vê um dos dumplings que costuma cozinhar ganhar vida. Este episódio surrealista desencadeará uma narrativa elíptica que, em rápidas mas certeiras pinceladas, descreve as principais fases da relação tecida ao longo dos anos entre uma mãe humana e um filho comestível. O resultado é um delicado conto familiar que, nas cenas finais, se revela mais profundo do que parecia» («Heróis domésticos», Vasco Baptista Marques, «Revista E»/Expresso, n.º 2383, 30.06.2018).

      De certa maneira, até gostei mais da curta-metragem Bao do que da longa-metragem The Incredibles 2. Não sei porque se usa aqui o termo inglês dumpling. Porquê, Vasco Baptista Marques? Bao é um bolinho da cozinha chinesa cozido a vapor. Dumpling, segundo o Dicionário de Inglês-Português da Porto Editora, é uma «espécie de sonho (doce ou salgado)»; para os English Oxford Living Dictionaries, é «a small savoury ball of dough (usually made with suet) which may be boiled, fried, or baked in a casserole».

 

[Texto 9529]

Helder Guégués às 20:49 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar

Léxico: «regalia»

Pelo menos dois caminhos

 

      Na Sala do Retrato da Rainha, no Palácio Nacional da Ajuda, podemos ver o retrato de gala de D. Maria Pia, então com 33 anos, vestida com as cores da monarquia portuguesa, que dá nome à sala. Em frente, num quadro mais pequeno, temos o retrato de D. Luís I, que apresenta o soberano com a regalia, ou seja, os símbolos de poder de um monarca. Atenção que é regalia e não regalia, a prerrogativa ou vantagem. Um caminho, para dicionarizar estes termos — regalia, militaria, etc. —, seria aportuguesá-los, regália, militária, etc. Se se usam e os mantivermos fora dos dicionários, estamos a prestar um mau serviço aos falantes.

 

[Texto 9528]

Helder Guégués às 19:15 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: ,

Colher de pedreiro, de novo

Estes sabem

 

      Lembram-se da colher de pedreiro? Hoje visitei a exposição «Rota das Catedrais», aberta ao público na galeria de pintura do rei D. Luís I, no Palácio Nacional da Ajuda. Pois, não fui lá apenas para comer um torricado e beber uma limonada. Devo dizer que foi a melhor exposição que vi nos últimos tempos. Lá pude ver uma colher e uma pá, de prata fundida e recortada e os cabos de madeira, datadas da primeira metade do século XVIII, instrumentos usados nas cerimónias da bênção da primeira pedra da capela-mor da Catedral de Évora. Ora, a legenda era mesmo «colher e pá», e a colher era exactamente uma colher de pedreiro.

 

[Texto 9527]

Helder Guégués às 18:44 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: ,

Léxico: «torricado»

Vão a tempo

 

      Hoje comi um excelente torricado — um bom pão, azeite, queijo e presunto —, no largo fronteiro ao Palácio Nacional da Ajuda. Então não sabem que está a decorrer a Festa do Património naquele palácio? Ainda vão a tempo, termina às 11 da noite. Também o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora vai a tempo se na segunda-feira registar o termo torricado, que está noutros dicionários.

 

[Texto 9526]

Helder Guégués às 16:06 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,

Léxico: «gobelino»

Quase, quase

 

      «“O primeiro Caravaggio que entrou em Portugal era dele [Antenor Patiño], e na noite do baile foi exposto com grande destaque numa das salas onde se dançava e onde também estavam uma pintura de Dürer, outra de Karnak e oito soberbas tapeçarias Goblin”, diz o advogado [André Gonçalves Pereira]» («Uma noite para a eternidade», Ana Soromenho, Expresso, n.º 2383, 30.06.2018).

      Diz o advogado, sim, mas quem o escreve — mal — é a jornalista. É Gobelin («tapisserie provenant de la manufacture des Gobelins», lê-se no Trèsor) ou, se se quiser, aportuguesado, gobelino. No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora: ✘. No VOLP da Academia Brasileira de Letras: ✔.

 

[Texto 9525]

Helder Guégués às 15:51 | comentar | ver comentários (2) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,
30
Jun 18

Léxico: «rotuliano»

Uns têm, outros não

 

      «A lesão, tendinose rotuliana, tem um nome complicado, mas Inês Monteiro explica de forma direta: “Tinha o tendão podre. Todos os diagnósticos que me davam eram para não ter esperanças.”» («Disseram-lhe que estava “morta para o atletismo”. Após seis cirurgias sobe ao pódio», Rádio Renascença, 29.06.2018, 00h47).

      Rotuliano. No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora: ✘. No VOLP da Academia Brasileira de Letras: ✔.

 

[Texto 9524]

Helder Guégués às 08:40 | comentar | ver comentários (2) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,