05
Jun 18

Tradução: «empower»

Não posso concordar

 

      «A Alemanha pediu na segunda-feira ao Governo norte-americano que esclareça as recentes declarações do novo embaixador dos EUA em Berlim, dias depois de Richard Grenell ter dito numa entrevista ao controverso site “Breitbart News” que está “entusiasmado” com a subida da extrema-direita na Europa e que quer empoderar “outros conservadores” nacionalistas no continente» («Novo embaixador dos EUA em Berlim diz-se “entusiasmado” com subida da extrema-direita», Rádio Renascença, 5.06.2018, 12h28).

      Empoderar... Evidentemente, não passava o exame Vieira (de Joaquim Vieira, ex-provedor do jornal Público): «Será que os meus pais vão perceber o que escrevi?» Empoderar até está, infelizmente, nos dicionários. No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, lê-se: «1. dar ou adquirir poder ou autoridade para fazer algo; 2. tornar(-se) mais forte e confiante, controlando a própria vida e conquistando os seus direitos». Não chega, é manifestamente pouco. Portanto, senhores lexicógrafos, vamos lá acrescentar mais uma dúzia de sinónimos no verbete. O mais irónico disto tudo é que, no Dicionário de Inglês-Português da Porto Editora, para traduzir empower não se propõe «empoderar». Deus escreve direito por linhas tortas. E então, como traduzir a frase da Richard Grenell? Dado que é embaixador dos EUA, se está na Alemanha, o mais que pode fazer é promover, fortalecer, dar voz à extrema-direita.

 

[Texto 9350]

Helder Guégués às 15:48 | comentar | ver comentários (2) | favorito

Léxico: «lança-bolas»

E depois invejamos-lhes o léxico

 

      «Carlos Queiroz recorreu a métodos inovadores para preparar para este embate o guarda-redes Alireza Haghighi, que a época passada jogou no Covilhã, da II Liga portuguesa. Entre as soluções encontradas para juntar ao treino nos dias que antecederam o encontro, o jornal argentino Olé descobriu um “lança-bolas”, máquina capaz de rematar bolas com força e direção para a baliza» («Irão treina guarda-redes com um lança-bolas», Correio da Manhã, 21.06.2014).

      Há lança-bolas para vários desportos. Não conheço nenhum dicionário de língua portuguesa que registe o termo. Nos de língua inglesa, não faltará em muitos o termo correspondente, cannonball.

 

[Texto 9349]

Helder Guégués às 14:04 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «sobrecapacidade»

Overcapaciteit

 

      «“Tem havido grandes investimentos ultimamente em centrais de reciclagem, o problema é que o material não chega aos tapetes. Em Portugal existe sobrecapacidade de reciclagem, porque a recolha não está a ser bem feita”, destaca [Pedro Colaço, presidente da Associação Portuguesa da Indústria de Plásticos]» («O plástico é mesmo mau para o ambiente? “A história está muito mal contada”», Rádio Renascença, 5.06.2018, 9h58).

       Pelos vistos, faz falta. Usa-se, até porque é uma forma de expressão mais breve. No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora? Não está. Encontramo-lo, órfão e encolhido, no Dicionário de Neerlandês-Português da Porto Editora. Pois é...

 

[Texto 9348]

Helder Guégués às 10:50 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

A magna questão do plural

E um dicionário ajudava?

 

      «Até há bem pouco tempo, os portugueses tinham tendência para esconder o interesse nos produtos das Sex Shop. Ora por vergonha, ora por pudor, a maioria das vendas destas lojas era feita a partir [sic] da internet» («Artigos sexuais», Francisca Genésio, Correio da Manhã, 5.06.2018, p. 40).

      Sofre há muito desse problema de não saber pluralizar uma palavra, Francisca Genésio? E para que são as maiúsculas, pode saber-se? As melhoras.

 

[Texto 9347] 

Helder Guégués às 09:20 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
05
Jun 18

Léxico: «abebezado»

E, contudo, existe

 

      «Há quem diga que já é mais espanhol do que francês. Até podia ser possível, se pensarmos que Antoine deixou a sua terra, num dos condados mais tradicionais de França, com 13 anos, para rumar a Espanha, onde joga ainda hoje. Pode ter virado um matador em campo, sim, mas aquele ar de príncipe, aquele jeito ‘abebezado’ e apaixonado, isso nunca perdeu. E ainda bem!» («Este francês derrete-nos o coração», Luísa Jeremias, Correio da Manhã, 5.06.2018, p. 28).

      Ouço-o com alguma frequência, já o vi escrito mais de uma vez, até numa tradução (para verter «little-girl [voice]», «voz abebezada»), não percebo porque não o regista o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora.

 

[Texto 9346]

Helder Guégués às 08:51 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,