13
Jun 18

Tradução: «ilusión»

O habitual

 

      No noticiário das seis da tarde, na Antena 1, passaram um excerto da conferência de imprensa de Fernando Hierro, o novo seleccionador de Espanha, que reconheceu que já não vai a tempo de mudar nada para o jogo de Espanha contra Portugal. Usou — quase inevitavelmente — a palavra ilusión, que o jornalista traduziu — também quase inevitavelmente — por «ilusão». Mal.

 

[Texto 9402]

Helder Guégués às 19:19 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «pentalogia»

Fazem mal

 

      «O último filme da longa carreira de Helga Liné foi em 2005, uma homenagem de Santiago Segura, ator, guionista, diretor e produtor espanhol, à dama do horror. O filme chamava-se “Torrente 3 — El Protector”, da pentologia “Torrente”, que o tornou famoso» («Helga Liné. A maravilhosa dama do horror», Luís Pedro Cabral, Expresso, 9.06.2018).

      Erro crasso, como «triologia» por «trilogia». Não conheço nenhum dicionário que registe pentalogia, mas, como se vê, fazem mal.

 

[Texto 9401]

Helder Guégués às 17:05 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «casapiano»

Aos pares

 

      «Já o ex-casa-piano Pedro Namora, que se destacou na denúncia dos casos de abusos sexuais na instituição, considera que a decisão teria sido diferente “se os juízes tivessem ouvido as crianças”» («“Só hoje voltei a ser verdadeiramente livre”», Natália Faria, Público, 13.06.2018, p. 12).

      Assim de uma penada, logo dois erros? No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não o podemos ver, que só regista caspiano, «relativo ao mar Cáspio», mas na Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira: «Aluno da Casa Pia (de Lisboa, principalmente) ou mais frequentemente, ex-aluno daquele estabelecimento.» Percebido, senhora jornalista?

 

[Texto 9400]

Helder Guégués às 11:40 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas: ,

Espécies extintas nos dicionários

Podia ser pior

 

      «Aves como o camão e a águia-de-bonelli; répteis como o lagarto-de-água, o camaleão ou o cágado-mediterrânico; e mamíferos como o rato-de-cabrera ou o gato-bravo são exemplos» («Meio ambiente exuberante», «Suplemento Algarve»/Correio da Manhã, 13.06.2018, p. 10).

      Não está mal: no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, só faltam três ­— cágado-mediterrânico (Mauremys leprosa), lagarto-de-água (Lacerta schreiberi) e rato-de-cabrera (Microtus cabrerae).

 

[Texto 9399]

Helder Guégués às 10:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «carriço»

Nem planta nem ave

 

      «Carriços. São idênticos aos suspiros, mas feitos com amêndoas laminadas e torradas» («Sabores do mar e tradições da serra algarvia animam gastronomia», «Suplemento Algarve»/Correio da Manhã, 13.06.2018, p. 4).

      No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, carriço só aparece como termo da botânica (duas acepções) e da ornitologia, além de regionalismo transmontano, «indivíduo de cabelo crespo». Ora, pelo menos no Algarve, estes bolos têm o nome de carriços.

 

[Texto 9398]

Helder Guégués às 10:24 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
13
Jun 18

Os peixes no dicionário

Perdido na sinonímia

 

      «É o caso do biqueirão, que é a base dos tradicionais biqueirões albardados, típicos de Olhão, ou o litão. Este parente do tubarão come-se seco e ainda hoje é muito apreciado na região como substituto do bacalhau e tem até lugar à mesa na consoada» («Sabores do mar e tradições da serra algarvia animam gastronomia», «Suplemento Algarve»/Correio da Manhã, 13.06.2018, p. 4).

      O tratamento destes termos nos dicionários não é satisfatório. Vejamos: no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, de litão remete-se directamente para cação e, neste verbete, para a primeira acepção, «nome extensivo a peixes seláquios das famílias dos Carcarídeos, Cilídeos e Espinacídeos, também conhecidos por bruxa, carraça, cascarra, chião, leitão, melga, papoila, pata-roxa, pique, etc.». Ontem, ao almoço, comi arroz com pata-roxa. No dicionário da Porto Editora, de pata-roxa remete-se directamente para bruxa e, neste verbete, para a sexta acepção, «nome vulgar de alguns peixes seláquios, da família dos Cilídeos (cação, gata, pata-roxa, pintarroxa, etc.)». Sem um tratamento individualizado, e com o imprescindível nome científico, será em vão que tentaremos saber mais. E a confusão por essa Internet fora — onde muitos já fundamentam tudo o que se possa afirmar sobre a língua — entre pata-roxa-gata e pata-roxa-denisa é de fazer corar o mais leigo.

 

[Texto 9397]

Helder Guégués às 09:29 | comentar | favorito