20
Jun 18

«Genérico», uma acepção

Esquecida

 

      A propósito de exame nacional de Português: numa das questões, pedia-se ao aluno que classificasse, em relação ao seu valor aspectual, duas formas verbais de frases que se transcreviam («A intraduzibilidade de um termo é normal.» «Assim, o termo ganhou uma extensão invulgar»). Era só escolher a resposta correcta das enunciadas: a) genérico e perfectivo; b) iterativo e perfectivo; c) genérico e imperfectivo; d) iterativo e imperfectivo. Pois bem, ao Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora escapa esta acepção gramatical de genérico. Corrija-se.

 

[Texto 9460]

Helder Guégués às 14:47 | comentar | ver comentários (11) | favorito
Etiquetas: ,

Como se escreve por aí

Muitos pontos descontados

 

      «Na entrevista singular que concedeu à imprensa portuguesa, aquando da celebração do seu Jubileu de Ouro, fez questão de deixar muito clara a sua posição: faz parte do islão fundacional, disse, tanto sunita como shiita, que um Imam assuma a sua responsabilidade em primeiro lugar, na segurança dos povos, e depois, na melhoria da qualidade de vida das populações em geral, principalmente onde a pobreza é crítica» («Quem é Aga Khan e porque escolheu Portugal?», Faranaz Keshavjee, investigadora do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE-IUL, TSF, 20.06.2018, 10h33).

      Já são alguns pontos a menos... Ah, está bem, isto não é um exame nacional de Português. Se fosse, por erro de ortografia entende-se também o erro de acentuação, uso indevido de letra minúscula ou de letra maiúscula e erro de translineação. Para quê «jubileu de ouro» com maiúscula? E em português não é «xiita» e «imã»? Transcrevi apenas um parágrafo, atenção, mas seriam logo quatro pontos a menos.

 

[Texto 9459]

Helder Guégués às 14:22 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

«Os milhares de pessoas»

Regresso ao básico

 

      «No “relvado” do Terreiro do Paço está sentado Ricardo Gomes, filho de pais portugueses que nasceu na Alemanha, a cerca de 50 quilómetros do local onde vivia Cédric, internacional português. Neste momento está de férias em Portugal e resolveu juntar-se às milhares de pessoas presentes no palco lisboeta» («Da tatuagem à promessa de uma viagem à final. As emoções na Arena Portugal», Inês André de Figueiredo, TSF, 20.06.2018, 13h42).

      De quando em quando, temos de regressar a estas coisas básicas, ou ainda se começa a pensar que o problema está todo nos dicionários. Inês, Inês, então «milhar» não é do género masculino? Então? Escreva «e resolveu juntar-se aos milhares de pessoas presentes no palco lisboeta». Isso costuma passar rapidamente, basta usar-se a cabeça.

 

[Texto 9458]

Helder Guégués às 13:54 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «carreiro»

Esquecer o que é nosso

 

      «O homem acusado de matar com seis tiros Norberto Gouveia, o responsável pela Associação dos Carreiros do Monte, na Madeira, foi ontem condenado a 20 anos de prisão por homicídio agravado e posse de arma proibida. [...] Norberto Gouveia era o presidente da Associação dos Carreiros do Monte, os condutores dos carros de cesto da Madeira, que foi atingido por uma pistola, 6,35 mm, “na cabeça, pescoço, e coluna”» («20 anos por matar chefe dos Carreiros», Correio da Manhã, 20.06.2018, p. 20).

      Então, como é que o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora vem dizer que carreiro é o «condutor de carro de bois»?

 

[Texto 9457]

Helder Guégués às 12:44 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «craniotomia»

Não é bem isso

 

      «O senador acabou por chegar ao hospital onde foi operado 45 minutos depois de ter sido alvejado. A cirurgia — uma craniotomia, que é uma abertura temporária do crânio — começou quase três horas depois do sucedido» («Nem com a medicina actual Robert F. Kennedy sobreviveria», Teresa Sofia Serafim, Público, 20.06.2018, p. 37).

      O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora diz-nos que craniotomia é a «operação para ressecção de uma zona do crânio, cefalotomia». Aqui, a palavra-chave é ressecção, que o dicionário da Porto Editora define como a «operação cirúrgica para extrair um órgão ou parte dele». A definição está errada: a craniotomia é a abertura temporária de um retalho do crânio para acesso ao cérebro. No caso de Robert F. Kennedy, por exemplo, a craniotomia foi realizada para extrair fragmentos de bala e de osso — não órgãos ou partes de órgãos.

 

[Texto 9456]

Helder Guégués às 08:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito

Léxico: «intersexo»

Então é por isso

 

      «O bullying homofóbico é um dos problemas mais conhecidos dos jovens LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, transgénero e intersexo) nas escolas, mas o que pode ser feito para fazer com que o ambiente escolar seja seguro para todos? Que medidas têm mais impacto para que jovens com orientação sexual ou identidade de género “não normativas” tenham todas as condições necessárias para se sentirem bem na escola?» («“Qualquer representatividade” LGBTI nas escolas “é melhor do que nenhuma”», Aline Flor, Público, 20.06.2018, p. 12).

      Ah, já percebi porque não registas a sigla LGBTI... Intersexo. No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora: ✘. No VOLP da Academia Brasileira de Letras: ✔.

 

[Texto 9455]

Helder Guégués às 07:41 | comentar | ver comentários (4) | favorito
Etiquetas: ,
20
Jun 18

Concordância verbal com o pronome «quem»

Mais vale prevenir

 

      «A menina Kim disse que quem bebesse a água do poço ficavam com espírito forte» (Dentro do Segredo: Uma Viagem na Coreia do Norte, José Luís Peixoto. Lisboa: Quetzal, reimpressão de Janeiro de 2017, p. 140).

      O livro tem várias gralhas, e acredito que neste caso também seja gralha e não erro. Contudo, porque há quem o faça intencionalmente — há de tudo neste mundo —, convém explicar que o pronome quem pertence à terceira pessoa do singular, portanto é preciso fazer a concordância verbal correcta. Se quisermos que os verbos fiquem no plural, temos de mudar o pronome: «A menina Kim disse que os que bebessem a água do poço ficavam com espírito forte.»

 

[Texto 9454]

Helder Guégués às 07:40 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,