26
Jun 18

Léxico: «protocónego»

Ça va, Manu?

 

      «Uma particularidade desta visita de Emmanuel Macron ao Vaticano é o facto de o Chefe de Estado francês ter sido empossado como “protocónego de honra” do Capítulo da Basílica de São João de Latrão. A basílica papal e França mantêm uma ligação que remonta ao século XV, quando o rei Luís XI doou a São João de Latrão a abadia de Clairac e os seus rendimentos, decisão confirmada por Henrique IV em 1604. Em contrapartida, foi conferido ao chefe de Estado francês o título de “primeiro e único cónego honorário” (premier et unique chanoine d’honneur)» («Papa recebe “cónego honorário Emmanuel Macron”», Rádio Renascença, 26.06.2018, 15h11).

      Não sei se escrevem bem a palavra, porque está translineada, mas vamos conceder que sim, protocónego. Ao ditador Franco também foi conferida a dignidade de protocónego da Basílica de Santa Maria Maior de Roma. Não conheço nenhum dicionário que a registe.

 

[Texto 9504]

Helder Guégués às 16:50 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «entrada solene»

Talvez não seja má ideia

 

      «A entrada solene na Arquidiocese de Braga está marcada para dia 2 de setembro» («“Sinto-me chamado a estar com as pessoas”. Os desafios do novo arcebispo de Évora», Teresa Almeida, Rádio Renascença, 26.06.2018, 11h33). A entrada solene é na Arquidiocese de Évora, há aqui lapso, mas para o caso não interessa. Já aqui nos tínhamos ocupado da entrada solene. Vê-se então que não é muito raro encontrar-se na imprensa tal expressão, e os dicionários gerais da língua nada dizem. É como que a tomada de posse. «Com a entrada solene do bispo nos seus territórios encerrava-se um ciclo e abria-se um novo: o da governação do bispado. Esse não se analisará aqui. Em condições regulares, desde a declaração de uma sede vacante até à entrada solene do bispo na diocese, mediava cerca de meio ano a um ano para as dioceses do reino, e sempre mais de um ano para as outras» (Os Bispos de Portugal e do Império, 1495-1777, José Dias Paiva. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2006, p. 110).

 

[Texto 9503]

Helder Guégués às 14:08 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «isocinético»

Nem aproximadamente

 

      «Isocinéticos é o nome dos testes a que os jogadores leoninos ontem foram sujeitos. Estes exames visam identificar desequilíbrios musculares. São rigorosos e intensos, levando os atletas ao limite» (Correio da Manhã, 26.06.2018, p. 29).

      Pela definição de isocinético no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não ficamos propriamente a saber do que se trata.

 

[Texto 9502]

Helder Guégués às 09:08 | comentar | favorito

Tradução: «recadrer»

Tão comum

 

      «Ça va, Manu?» Qual irreverência — insolência! Acho muito bem que Emmanuel Macron tenha posto o jovenzinho na linha. Podemos traduzir assim recadrer, o termo que a imprensa francesa usou? «Macron recadre un jeune qui l’appelle “Manu”.» Infelizmente, o Dicionário de Francês-Português da Porto Editora não regista esta acepção, tão comum. A propósito: porque não regista o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora o verbo reprimendar, que vejo em dicionários, vocabulários e enciclopédias?

 

[Texto 9501]

Helder Guégués às 08:22 | comentar | ver comentários (7) | favorito

Léxico: «sobrequalificação/sobrequalificado»

Andam por aí

 

      «Em Portugal, muitos jovens qualificados foram obrigados a emigrar porque a economia não consegue absorver mão-de-obra altamente qualificada. Como em outros países de desenvolvimento falhado, há um fenómeno de “sobrequalificação” académica que trava o papel tradicional da educação como “elevador social”» («E se Sousa Tavares lesse antes de escrever?», Paulo Guinote, Público, 26.06.2018, p. 45).

      É uma ideia que vemos exposta com grande frequência: alguém que tem demasiadas qualificações académicas para o emprego a que concorre. Dito só com uma palavra, sobrequalificação, que vejo em todo o lado, de artigos de jornal a teses, é muito mais fácil. Não estar dicionarizada, já se sabe, aumenta o risco de alguém usar o termo correspondente em inglês, overqualificationSobrequalificação precisa de outra palavra a acompanhá-la, sobrequalificado.

 

[Texto 9500]

Helder Guégués às 07:02 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «transposão»

Pouco científico

 

      «Os transposões são conhecidos como “genes saltitantes” por serem capazes de sair das suas posições nos cromossomas e mudar para outro lugar na cadeia de ADN. Apesar de representaram cerca de metade do nosso genoma, são vistos apenas como lixo ou parasitas que podem causar mutações» («Lixo? Não, este “gene saltitante” é decisivo para o embrião», Andrea Cunha Freitas, Público, 26.06.2018, p. 29).

      Transposão. No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora: ✘. No VOLP da Academia Brasileira de Letras: ✔.

 

[Texto 9499]

Helder Guégués às 06:24 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
26
Jun 18

Léxico: «poliomavírus» e «norovírus»

Precisamos deles

 

      «Amostras colhidas em 15 ETAR, de norte a sul do país, revelaram a presença de quantidades elevadas de material genético de alguns vírus, tais como poliomavírus JC [John Cunningham] e Norovírus. O alerta parte da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra, que realizou o estudo em causa» («ETAR podem ser fonte de transporte de vírus», João Moniz, Destak, 26.06.2018, p. 7).

      Pois é, poliomavírus e norovírus não estão no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, mas encontramo-los noutros dicionários.

 

[Texto 9498]

Helder Guégués às 05:02 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,