05
Jul 18

Léxico: «anobonense»

Ilha do Ano Bom

 

      «Os anobonenses são oficialmente católicos e falam um crioulo português (fá d’Ambo) semelhante aos de São Tomé e ao do Príncipe» (Trabalho Forçado Africano: Experiências Coloniais Comparadas, Adriana Pereira Campos, Universidade do Porto. Centro de Estudos Africanos. Porto: Campo das Letras, 2006, p. 57).

      Cuidamos tanto da História, que até omitimos tudo isto nos nossos dicionários. Que tristeza!

 

[Texto 9567]

Helder Guégués às 17:47 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,

Léxico: «coissã»

Assim não vamos lá

 

      «Por fim, a quarta e última família: a coissã (khoisan), em que se reúnem as línguas que possuem cliques entre as consoantes. São três os seus ramos: o hadza, o sandaue e o coissã sul-africano» (A Enxada e a Lança – A África antes dos Portugueses, Alberto da Costa e Silva. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 5.ª ed., 2014).

      Coisã ou coissã. No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora: ✘. No VOLP da Academia Brasileira de Letras: ✔.

 

[Texto 9566]

Helder Guégués às 17:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,

Ortografia: «bogie»

Bem explicado, mal escrito

 

      «Entre os sete veículos destruídos, encontravam-se carruagens que operaram os comboios tranvias (antiga designação do serviço suburbano) da Linha de Cascais até à sua electrificação em 1926. Um outro, datado de 1890, foi uma das primeiras carruagens de boggies (rodados sobre os quais assenta a caixa do veículo) a circular na península Ibérica» («CP diz que veículos históricos que arderam em Vila Real de Santo António eram sucata», Carlos Cipriano, Público, 5.07.2018, p. 17).

      As definições/explicações, Carlos Cipriano, não estão nada mal, não senhor, mas escreve-se bogie, como pode comprovar até no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora.

 

[Texto 9565]

Helder Guégués às 17:43 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: ,

Léxico: «traça-da-guatemala»

Nem traço

 

      «A secretária-geral da associação Porbatata disse ontem que há risco da [sic] produção nacional de batata ser afectada pela traça-da-guatemala, provocando “efeitos económicos muito graves” e alertou para a necessidade de apoios económicos. “É uma praga devastadora”, alertou Sandra Pereira» («Produção de batata em risco de ser afectada pela traça-da-guatemala», Público, 5.07.2018, p. 14).

      Traça-da-guatemala, de nome científico Tecia solanivora (Povolny). No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora é que nem traço desta traça.

 

[Texto 9564]

Helder Guégués às 12:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,
05
Jul 18

Léxico: «evasor»

Sem posição

 

      «Quando a Spectator o qualificou, em 1984, como “o maior evasor fiscal do mundo”, Aga Khan viu o tribunal dar-lhe razão na queixa que apresentou» («Príncipe Aga Khan vem a Portugal com uma multidão de 45 mil fiéis», Natália Faria, Público, 5.07.2018, p. 13).

      O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não tem ainda posição sobre a matéria: não regista — oh! — o vocábulo evasor.

 

[Texto 9563]

Helder Guégués às 09:19 | comentar | ver comentários (2) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,