12
Jul 18

Léxico: «bromelina»

Ficam a saber

 

      A minha ideia era falar-vos da tendência deste Verão: o «Upside Down Bikini Challenge», mas decidi lembrar que o ananás é um dos frutos que contribuem para diminuir o inchaço da barriga. Pois é verdade, e tudo graças à bromelina, que o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora nos diz que é a «enzima que digere proteínas e se obtém a partir de sumo de ananás, sendo muito utilizada para amolecer a carne». Pelo menos metade está correcto: a bromelina está em todas as... bromeliáceas. Melão, mamão, quivi, gengibre... Fica o reparo e o conselho.

 

   [Texto 9613]

Helder Guégués às 22:59 | comentar | favorito

Léxico contrastivo

Estepe

 

      «De acordo com o especialista, tecnicamente, há uma tolerância de 3% para mais ou para menos. A lei não faz qualquer menção à diferença de 3% (o texto faz concessões apenas ao estepe do carro)» («Como alterar rodas e pneus?», Marcelo Freitas, Metro São Paulo, 11.07.2018, p. 5).

      O português europeu não tem a palavra estepe nesta acepção. Para nós, é «pneu sobresselente». Os carros que o têm; o meu, por exemplo, não tem pneu sobresselente.

 

[Texto 9612]

Helder Guégués às 22:09 | comentar | favorito

Tradução: «tonga»

Trabalho incompleto

 

      «Quatro dias mais tarde, um lugar para Kim e a sua pequena mala estava marcado na retaguarda de uma tonga de Kalka» (Kim, Rudyard Kipling. Tradução de Maria Madalena Esteves. S/l: Bibliotex Editor/Diário de Notícias, 2003, p. 161).

      Não encontrei nenhum dicionário de língua portuguesa que registe o termo tonga (exactamente como no original, tonga) nesta acepção. Trata-se de uma espécie de charrete puxada por um cavalo. Nos Oxford Living Dictionaries, encontramo-lo: «A light horse-drawn two-wheeled vehicle used in India.» Assim, o termo devia ser, já não digo grafado em itálico, mas pelo menos explicado em nota de rodapé.

 

[Texto 9611]

Helder Guégués às 22:06 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico contrastivo

Plantonista

 

      «A presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Laurita Vaz, alegou “flagrante desrespeito” na decisão do desembargador de plantão Rogério Favreto de conceder liberdade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – revista depois pelo presidente do TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), Carlos Eduardo Thompson Flores. A ministra voltou a negar o habeas corpus e chamou o argumento usado pelo plantonista de “inusitado e teratológico (no meio jurídico, adjetivo comumente usado para se referir a algo no limite do absurdo)”» («STJ não solta Lula e critica plantonista», Marcelo Freitas, Metro São Paulo, 11.07.2018, p. 5).

      O português europeu não tem a palavra plantonista; logo, diríamos «de plantão». Diríamos, mas não dizemos: neste caso, diz-se «juiz de turno».

 

[Texto 9610]

Helder Guégués às 20:50 | comentar | favorito

Léxico: «debilóide»

Inacreditavelmente, não está

 

      «Ao saudar o debilóide [Jeb Bush], o chefe da mais antiga monarquia européia, rei Juan Carlos I, não perdeu o tom: – É uma honra receber o irmão do rei dos Estados Unidos...» («Poder sem pudor. Um debilóide na Espanha», Cláudio Humberto, Metro São Paulo, 12.07.2018, p. 6).

      Debilóide. No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora: ✘. No VOLP da Academia Brasileira de Letras: ✔.

 

[Texto 9609]

Helder Guégués às 19:54 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico contrastivo

Canetada

 

      «Numa canetada, a presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Laurita Vaz, arquivou ontem 143 pedidos de liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Todos os habeas corpus seguiam o mesmo padrão e foram apresentados após o embate entre decisões pró e contra Lula do TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) no último domingo» («STJ rejeita 143 habeas corpus pedidos a Lula», Metro São Paulo, 12.07.2018, p. 6).

      Diga-se, para começar, que não temos, neste lado do Atlântico, o vocábulo canetada, nem lhe vejo termo correspondente. O apressado que o julgasse sinónimo da locução «de uma penada» estaria muito enganado. O Dicionário Houaiss (Lisboa, 2003) não o acolhe, como nenhum dicionário brasileiro regista todos os matizes de sentido. Por exemplo, este sentido castrense: «comunicação escrita, feita pelo superior, acerca de conduta irregular de subordinado para que seja instaurado processo administrativo» (Dicionário da Linguagem Castrense, Ademir Antonio Minani. Olímpia, São Paulo: edição do autor, 2013, p. 36). Para o Aulete, é a «ação oficial de natureza burocrática, administrativa», acção de canetar, «estabelecer, oficializar, validar por meio de assinatura».

 

[Texto 9608]

Helder Guégués às 19:46 | comentar | ver comentários (1) | favorito

Léxico: «tritão-de-crista»

Subespécies

 

      «Great crested newts have been on the decline throughout Europe since the 1940s as a result of intensified agriculture, degradation and the destruction of their habitats» («Meet the UK’s first ever ‘newt officer’», Adam Theofilatos, Metro UK, 11.07.2018).

      É o nosso tritão-de-crista (Triturus cristatus), um dos anfíbios mais ameaçados em toda a Europa. A subespécie introduzida já no século XX em São Miguel, nos Açores, é a Triturus cristatus carnifex. No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, só temos tritão e tritão-marmorado, e já é um pau. Noutros, nem isso.

 

[Texto 9607]

Helder Guégués às 16:49 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «cubilho»

Recuperar tudo

 

      «“A partir daí vamos começar a trabalhar os casulos e a extrair a seda. O primeiro processo consiste no sarilho, com uma caldeira de cobre, em que a água tem que estar a 90 graus. Não pode ferver, mas tem que estar sempre naquela temperatura. Os casulos inteiros, que é a seda de primeira qualidade, são postos em água quente e, depois de amolecidos, vão soltar o fio. Um fio representa 20 casulos puxados ao mesmo tempo. À medida que faz este percurso, seca e cola. Daqui, a meada vai para a dobadoura, onde é dobada em cartões. Depois de selecionada a grossura do fio, para ir todo igual, é feito o cubilho, que é a junção de 12 fios (12 vezes os 20 fios) para fazer um só. Esse fio vai para o fuso, que é torcido metro a metro, para fazer a meada que vai ser cozida em água e sabão, que é o branquear ou degomar a seda. Assim, a seda fica pronta a ir para o tear para começar o processo da tecelagem”, conclui Susana Martins [formadora do curso de tecedeira e tecelão]» («Freixo de Espada à Cinta quer produzir seda para todo o mundo», Olímpia Mairos, Rádio Renascença, 12.07.2018, 13h11).

      Temos de recuperar estas artes multisseculares — e as próprias palavras. O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, por exemplo, não conhece a palavra cubilho.

 

[Texto 9606]

Helder Guégués às 15:29 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Tradução: «NEET»

Nem tentam

 

      «O número de jovens que não trabalham nem estudam na União Europeia atingiu o valor mais baixo dos últimos dez anos. No primeiro trimestre deste ano, a 10,6% dos jovens europeus entre os 15 e os 24 anos que não tinham ocupação laboral nem estudavam. [...] Os dados sobre os chamados NEET (Not in Education, Employment or Training) – ou jovens “nem-nem” – foram divulgados esta quinta-feira pelo Eurostat» («Número de jovens “nem-nem” é o mais baixo da última década», Rádio Renascença, 12.07.2018, 12h37).

      Em Espanha, são os jóvenes ninis. Aliás, como vimos com a sigla LGBT, que não pára de crescer, também já se fala do joven ninini, «ni estudia, ni trabaja, ni lo intenta».

 

[Texto 9605]

Helder Guégués às 13:13 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Tradução: «lanzar/ser un órdago»

Ficheiro trocado?

 

      «El 27 de septiembre de 2016, Barack Obama inauguraba en Washington D. C. el Museo Nacional de Historia y Cultura Afroamericana, un edificio que pretende ser un órdago al revisionismo histórico que necesita esta potencia. Un homenaje a los esclavos y sus historias» («Memoria negra y estadounidense», Gian Paolo Pezzi, Mundo Negro, 25.06.2018).

      Há alguma razão objectiva para os nossos dicionários de espanhol-português/português-espanhol serem os piores que temos, isto quando se trata da língua mais próxima da nossa? Neste caso específico, há alguma razão para o dicionário digital da Porto Editora ser pior do que o dicionário em papel, já com alguns anos? Na versão em linha, nem sequer está dicionarizado o termo «órdago».

 

[Texto 9604] 

Helder Guégués às 13:03 | comentar | favorito

Léxico: «mandado»

Tem de ser revisto

 

      «Puigdemont foi detido na Alemanha no passado dia 25 de março, depois de Espanha ter emitido um mandato de detenção europeu de detenção» («Justiça alemã decide extraditar o ex-presidente catalão Puigdemont», Inês André de Figueiredo, TSF, 12.07.2018, 10h27).

      Ai, que desgosto, Inês André de Figueiredo! Então não é «mandado de detenção»? Uma jornalista... Estranho também que o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora apenas registe «mandado de captura», quando existem tantos mandados. Ou não têm mandato para isso?

 

[Texto 9603]

Helder Guégués às 11:26 | comentar | ver comentários (8) | favorito
12
Jul 18

Léxico: «animalista»

Sim, pelo menos

 

      «As corridas de toiros são apenas um ponto de uma complexa e intrincada teia que se está a tentar tecer. Se dependesse dos animalistas, os limites da liberdade e da escolha não seriam muito diferentes dos daqueles que existem em países onde só há três cortes de cabelo considerados aceitáveis» («As touradas são só uma parte do que o PAN quer proibir», Joana Petiz, Diário de Notícias, 12.07.2018, 00h07).

      Animalista. Ao Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora faltam, pelo menos, duas acepções.

 

[Texto 9602]

Helder Guégués às 08:21 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,