15
Ago 18

Léxico: «estévia»

Vá lá, um esforço

 

      «O investimento [da Aroma das Faias, uma empresa de agricultura biológica], de 400 mil euros, contou com apoio de financiamento comunitário e desde então os 12 hectares de terreno têm vindo a produzir cada vez mais quantidade de ervas aromáticas, como lúcia-lima, cidreira, hortelã, tomilho e stevia» («A engenheira que saltou para os campos de ervas aromáticas», Francisco Alves Rito, «P2»/Público, 15.08.2018, p. 4).

      Sou suspeito, porque fui eu que a levei para o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, mas não acha natural, Francisco Alves Rito, que se escreva estévia, evitando esse st inicial nada português?

 

[Texto 9789]

Helder Guégués às 16:56 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas: ,

Espécie/espécime

Obrigado

 

      «A Câmara da Figueira da Foz vai analisar a decisão de abater árvores em Buarcos, mas não adianta, para já, se o corte agendado para amanhã avança como previsto, disse à Lusa o vice-presidente, Carlos Monteiro, aludindo ao abate previsto de 16 árvores com dezenas de anos junto ao mercado municipal de Buarcos, no âmbito de uma obra urbana em curso que está a gerar indignação na cidade. [...] Carlos Monteiro notou, no entanto, que “vai haver um acréscimo de árvores” noutros locais da área de intervenção da empreitada, que cifrou em 123 novas espécies» («Câmara vai analisar abate de árvores», Público, 15.08.2018, p. 13).

      Com que então 123 novas espécies... Uma espécie de jardim botânico, em suma. Não tem aspas, logo, não terá sido afirmação do autarca — é confusão, trapalhada do jornalista. Interrompa, por favor, a dormência estival e reveja, com urgência, os conceitos de espécie e de espécime.

 

[Texto 9788]

Helder Guégués às 10:29 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Opiáceo/opióide

Vamos ver se percebo

 

      «Pela primeira vez nos Estados Unidos, um condenado foi executado através de uma injecção contendo o opiáceo fentanilo, responsável por milhares de mortes por overdose nos últimos anos no país. [...] Carey Dean Moore, de 60 anos, foi executado através de uma mistura de drogas, incluindo diazepam e fentanilo. Esta última é um opiáceo que foi encontrado no sangue de 20 mil pessoas que morreram de overdose só em 2016 nos EUA» («Pela primeira vez nos EUA, um condenado foi executado com o opiáceo fentanilo», Público, 15.08.2018, p. 20).

      Vamos lá ver: se o fentanilo é, como creio, uma substância totalmente sintética, trata-se de um opióide, ou seja, semelhante aos opiáceos. Ou usamos as palavras arbitrariamente?

  

[Texto 9787]

Helder Guégués às 10:08 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Tradução: «confrontational»

Em inglês?

 

      «O dia de ontem foi mais tranquilo para a lira turca depois da turbulência das últimas sessões, mas nem por isso a instabilidade económica deixou de pairar sobre a Turquia. O tom confrontacional com Washington, pela duplicação das taxas aduaneiras aplicadas às importações de alumínio e aço vindas da Turquia, foi renovado ontem pelo Presidente turco, com Recep Tayyip Erdogan a ameaçar um boicote aos produtos electrónicos norte-americanos, incluindo o iPhone» («Erdogan responde a Trump com boicote a produtos electrónicos dos EUA», Pedro Crisóstomo, Público, 15.08.2018, p. 20).

      Sim, para mim, é um problema de tradução. Pedro Crisóstomo, confrontational traduz-se por agressivo, de confronto. Peça, exija revisão.

 

[Texto 9786] 

Helder Guégués às 08:48 | comentar | ver comentários (4) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «anglo-indiano»

Arte perigosa

 

      «Visitante caiu no fosso da obra “Descida para o Limbo” [«cujo título se inspira numa obra homónima do pintor renascentista Andrea Mantegna»], do artista indiano-britânico Anish Kapoor», leio na página da Internet da TSF. Um visitante com queda para a arte, dir-se-á, como um jornalista com queda para não pensar. Então não é anglo-indiano que dizemos? E que merda de arte é esta? Uma espécie de cloaca? A queda num buraco com cerca de 2,5 metros de profundidade levou o homem para o hospital, é claro. E agora? Agora... «Fonte de Serralves referiu que “foram cumpridas todas as medidas de segurança protocoladas”, designadamente a assinatura de um termo de responsabilidade e o acompanhamento de um assistente de sala na visita à obra.» Em que língua está redigido o termo de responsabilidade? Que língua fala o assistente de sala?

 

[Texto 9785]

Helder Guégués às 07:56 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «tradaptação»

Discriminação, disse ela

 

       Ah, vejo que o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não acolhe o termo tradaptação (não negue à partida uma ciência que desconhece), que encontrei numa deliberação da Entidade Reguladora para a Comunicação Social e vejo em trabalhos académicos... E agora, a quem nos podemos queixar?

 

[Texto 9784]

Helder Guégués às 07:53 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «sabina-da-praia»

Língua veloz

 

      Pela primeira vez, fui ao Guincho e subi a Rua da Areia de bicicleta — eléctrica. É outra loiça. Se bem que fosse a uma velocidade considerável ao passar pela embocadura do primeiro passadiço sobre a duna da Cresmina, olhei para um cartaz e, entre imagens e o respectivo nome de espécies da fauna e da flora locais, li, e não pela primeira vez, «sabina-da-praia» (Juniperus turbinata). «Aposto», disse para comigo, «que não está no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora.» Ganhei a aposta. Regista apenas sabina: «BOTÂNICA arbusto da família das Juniperáceas, cujas folhas e ramos, de aroma desagradável, têm utilização medicinal». A planta faz lembrar o zimbro, porque são da mesma família, ambas juniperáceas.

 

[Texto 9783]

Helder Guégués às 07:50 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
15
Ago 18

Como se escreve na Avenida ***

 

No elevador

 

      Logo de manhã, um papel afixado nos elevadores contra o «adulcente» do 4.º A, que, depois de um ano «em silencio», leva agora toda a noite a fazer ruídos e falta ao respeito a outros condóminos. Não conheço a alimária que adolesce tão mal nem o autor do «comunicado», que também não parece estar a adultecer muito bem.

 

[Texto 9782]

Helder Guégués às 07:43 | comentar | favorito
Etiquetas: ,