07
Set 18

«Exéquias fúnebres»?

Não havia necessidade

 

      «Segundo a Câmara de Espinho, ainda não há informação quanto às exéquias fúnebres em honra do arquiteto, dada a maior complexidade dos trâmites a cumprir pelo facto de o seu falecimento se ter verificado em Espanha» («Arquiteto Rui Lacerda morre durante peregrinação a Santiago», Rádio Renascença, 7.09.2018, 10h43).

      O jornalista conhece exéquias que não sejam fúnebres? Em latim, exsequiae, exsequiārum já significa «honras fúnebres». É um pleonasmo, não um erro de cair para o lado. Seja como for, para quê usar mais palavras se podemos usar menos?

 

[Texto 9877]

Helder Guégués às 15:52 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «acelerante»

Antes galego

 

      «A investigação permitiu apurar que no sábado – dia em que, segundo a família, a mulher desapareceu – os suspeitos, “pela hora do jantar, usando fármacos, colocaram-na na impossibilidade de resistir, agrediram-na violentamente no crânio com um objeto contundente, colocaram-na na bagageira de uma viatura e transportaram-na para a zona de Pegões, onde, com recurso a um acelerante, lhe pegaram fogo”» («Encontrado corpo de professora desaparecida no Montijo. Filha e genro detidos», Rádio Renascença, 7.09.2018, 11h48).

      Acelerante, para o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, é o «que dá velocidade; acelerador». Adjectivo. Ora obrigadinho. Para o dicionário da Junta da Galiza: «s. m. QUÍM Substancia que acelera unha reacción química que, máis lentamente, se produce tamén de seu.»

 

[Texto 9876]

Helder Guégués às 15:50 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Manual de Inglês

É novamente Setembro

 

      «Hello! It’s september again...» (What’s Up? 6, Cristina Costa, Isabel Teixeira e Paula Menezes, com revisão pedagógica e linguística de James Scott. Lisboa: Texto Editores, 2018, p. 13).

      Mr. Scott, helloooo, esqueceu-se de ler o manual... E a editora também parece que se esqueceu de o dar a rever a um revisor. Acontece, não é? Até agora — acabou de me aterrar nas mãos — só vi este erro, mas antes do fim do ano (lectivo ou civil, eu logo decido), vou descobrir mais. Para não ficarem pontas soltas: criancinhas, pais, os meses em inglês escrevem-se com maiúscula inicial.

 

[Texto 9875]

Helder Guégués às 08:32 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «instrução»

Olha o tempo

 

      «Explicado da forma mais simples: [a instrução] é uma fase do processo em que se decide se o caso tem pernas para ir a julgamento ou não, é como se fosse um pré-julgamento. A definição apresentada num manual de apoio à formação de ingresso na carreira de oficial de justiça, publicado em abril de 2013 pela Direção-Geral da Administração da Justiça diz-nos que “a instrução é constituída por atividades de averiguação e investigação criminal complementar da levada a efeito no inquérito, de natureza facultativa, visando a comprovação judicial da decisão de acusação ou da decisão de arquivamento do processo” (como determina o artigo n.º 286 do Código do Processo Penal)» («Operação Marquês: Sócrates em silêncio. Todos contra Carlos Alexandre», Miguel Marujo, Diário de Notícias, 6.09.2018, 19h06).

      A definição de instrução no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não anda longe disto, como seria de esperar, mas, ainda assim, estranho um tempo verbal: «fase processual não obrigatória em direito penal cujo objetivo é verificar se a acusação ou o arquivamento tinham fundamento com as provas recolhidas ou por apreciar». Porquê «tinham» se é como que um pré-julgamento?

 

[Texto 9874]

Helder Guégués às 08:28 | comentar | ver comentários (2) | favorito
07
Set 18

Léxico: «teledramaturgia»

Também temos

 

      «Em quase 70 anos de carreira na TV, no teatro e no cinema, viveu personagens que marcaram história, entre eles, Odete Roitman, uma das vilãs mais famosas da teledramaturgia brasileira» («Aos 92 anos, morre em SP a atriz Beatriz Segall», Metro São Paulo, 6.09.2018, p. 34).

      Isto é contigo, Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. Não temos também teledramaturgia? Então, aí tens.

 

[Texto 9873]

Helder Guégués às 08:25 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,