12
Nov 18

Os «camarados» do BE

Vejam lá isso

 

      «Depois de tropeçar na linguagem inclusiva e de ter chamado “camaradas e camarados”, o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, terminou o discurso sob um forte aplauso: “Agora, a esquerda, agora um governo de esquerda! Agora o sonho do BE de governar o nosso país!”» («As cinco condições do Bloco para um casamento com o PS», Maria João Lopes, Público, 12.11.2018, p. 5).

      Vejam lá não percam votos com essas tretas. «Camarados», Pedro Filipe Soares... Habitualmente — diga-se sem medo de afrontar o politicamente correcto —, as mulheres são mais proclives do que os homens a estas tentativas canhestras de tornar tudo igual, violentando a língua. Para desmentir tendências imutáveis, veio agora um homem cair no mesmo erro.

                       

[Texto 10 275]

Helder Guégués às 21:15 | comentar | ver comentários (5) | favorito

«Jogo da Língua», 9.NOV.2018

Pobres ouvintes

 

      Felizmente tenho sempre coisas mais importantes que fazer, mas na sexta-feira, num intervalo, ouvi o Jogo da Língua. A suposição mais benévola é a de que só tem erros quando eu ouço o programa, assim à semelhança do gato de Schrödinger. Ora bem, a questão era de sintaxe: «Os filmes que mais gosto são os policiais e os thrillers/Os filmes de que mais gosto são os policiais e os thrillers.» Tinha logo de incluir um estrangeirismo, para melhor defesa da nossa língua. O prezado ouvinte acertou por acaso. Vamos lá ver o que diz a Dra. Sandra: «Em frases relativas como estas, nós temos de repetir a preposição de, “O livro de que mais gosto é esse”; «Os filmes de que mais gosto são...”, uma vez que o verbo gostar é um verbo que requer preposição. E essa preposição deve estar sempre em todos os contextos sintácticos em que usamos o verbo gostar, inclusive nestes um bocadinho mais complexos em que nós estamos perante uma oração relativa.» Repetir a preposição? Pobres ouvintes... Então, veja se é capaz de nos apontar na frase as duas preposições e depois mande-me a resposta para o Messenger. E outra coisinha: o vocábulo «sintaxe» pronuncia-se /sintasse/ e não, como sonoramente o fez, /sintaze/. E tu, Dicionário que da Língua Portuguesa da Porto Editora, também tens de colaborar e ajudar esta gente, pois, ao contrário de muitos dicionários e vocabulários (por exemplo, o VOLP da Academia Brasileira de Letras), não deixas esta tão singela e útil indicação: «sintaxe (ss)».

 

[Texto 10 274]

Helder Guégués às 11:24 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
12
Nov 18

Léxico: «galheta»

Não são de vidro

 

     «Apaixonado por mecânica, o antigo técnico têxtil reúne, em expositores e vitrinas, mais de 500 galhetas de óleo cuidadosamente alinhadas. [...] O que dá mais gosto a Manuel [Veloso] é o trabalho de recuperação das almotolias» («Coleciona galhetas de óleo por paixão à mecânica», Sara Gerivaz, Jornal de Notícias, 12.11.2018, p. 27).

      Só está mal é que o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não acolha esta acepção de galheta.

 

[Texto 10 273]

Helder Guégués às 09:25 | comentar | favorito
Etiquetas: ,