20
Nov 18

Léxico: «lavra»

Mármores VI

 

      «As pedreiras licenciadas são obrigadas a ter um Plano de Pedreira, que inclui um Plano de Lavra e um Plano Ambiental e de Recuperação Paisagística (PARP), estando assim “autorizadas a extrair a massa mineral”. A pedreira “Olival Grande São Sebastião” está ativa, enquanto a pedreira “Carrascal JS” está “em suspensão de lavra”, com o ministério a referir que ao abrigo do Plano de Pedreira, finda a exploração, “o explorador terá de dar cumprimento ao PARP”» («Pedreiras licenciadas sem cumprir zonas de defesa porque já existiam», Rádio Renascença, 20.11.2018, 22h55).

      É o termo habitualmente usado, pelo que anda mal o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora quando define lavra como o «trabalho de extracção de metais».

 

 

[Texto 10 323]

Helder Guégués às 23:09 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «guilhação»

Mármores V

 

      Para proceder ao corte da rocha, e em especial para reduzir as talhadas a blocos de dimensões transportáveis, empregam-se diversas técnicas, e entre elas a guilhação — isto é, o uso de guilhos (e palmetas, termo que o dicionário da Porto Editora nem sequer regista), que são cunhas de ferro ou aço para rachar rochas e cantaria.

 

[Texto 10 322]

Helder Guégués às 22:52 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «crapô»

Mármores IV

 

      A determinada altura, por volta da década de 30 ou 40, passou a ser familiar na paisagem das pedreiras do Alentejo outro elemento, inventado na Bélgica e adaptado cá: o guincho motorizado, conhecido por crapô (do francês crapaud, pela semelhança com um sapo, designação deste tipo de guincho naquela língua), e que veio substituir os guinchos móveis manuais, que tinham sido introduzidos na exploração do subsolo no século XV.

 

[Texto 10 321]

Helder Guégués às 22:19 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «macaca»

Mármores III

 

      Na exploração das pedreiras, depois da individualização das bancadas, de que já falei mais atrás, procede-se ao corte em talhadas, que serão derrubadas para uma cama de escombros, pneus e/ou terra com o auxílio de macacas hidráulicas ou pela utilização de retroescavadoras. Ora, também esta acepção de macaca está ausente dos dicionários, e nomeadamente do Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. Portanto, no caso, não se trata da fêmea do macaco...

 

[Texto 10 320]

Helder Guégués às 21:46 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «pórtico»

Mármores II

 

      Fora dos dicionários está também um elemento que continua a fazer parte da estrutura produtiva e da paisagem das explorações de mármore: o pórtico. Estão a ver os pórticos que existem nos portos? Os das pedreiras foram adaptados das estruturas navais de apoio à descarga de materiais e usam-se para carregar os blocos para camiões.

 

[Texto 10 319]

Helder Guégués às 21:34 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «bancada»

Mármores I

 

      Com o caso de Borba, muitos portugueses estão a tomar contacto pela primeira vez na vida com o conceito de pedreira. Aproveitemos a ocasião para levar alguns termos relacionados com a extracção do mármore para os dicionários. As televisões têm agora mostrado imagens de pedreiras, com os típicos cortes rectilíneos de onde foram extraídos os blocos — a cada um desses degraus dá-se o nome de bancada.

 

[Texto 10 318]

Helder Guégués às 21:17 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «inerte»

A propósito se diga

 

      Na TVI 24, estava há minutos alguém da Quercus, a propósito do aluimento do troço da antiga EN 255 entre Borba e Vila Viçosa, e falou em aterros de inertes. Ora, se bem que «inerte» seja adjectivo, e, em rigor se trate de aterros de resíduos inertes, a verdade é que é quase sempre, neste contexto, usado como substantivo, o que os dicionários não registam. No caso, os inertes são solos e rochas, resultantes da extracção do mármore. Há uma lista de inertes numa tabela do Decreto-Lei n.º 183/2009, de 10 de Agosto. Outros inertes: betão, tijolos, ladrilhos, telhas, vidro, etc.

 

[Texto 10 317]

Helder Guégués às 15:53 | comentar | ver comentários (1) | favorito

Tradução: «influencer»

Muito difícil...

 

      «A história pode ser contada, com a mesma garantia de veracidade, de trás para a frente: “O Picasso teria adorado o meu traje”, escreveu na rede social Instagram a “influencer” (a língua portuguesa ainda não terá uma palavra adequada para esta atividade) Newsha Syeh» («A incrível história de um decote no Louvre», Diário de Notícias, 19.11.2018, 20h11).

      Oh, sim, pobre língua portuguesa... Qual era o maluco ou o ingénuo que proporia a palavra influenciador para traduzir o termo inglês? Não, não, não há ingénuo ou maluco capaz de tal — só há ingénuos e malucos para fazerem o contrário.

 

[Texto 10 316]

Helder Guégués às 12:04 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «biometria»

Actualizar os exemplos

 

      Biometria, lê-se no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, é a «técnica de identificação de uma pessoa com base nas suas características fisiológicas (tais como impressões digitais) ou comportamentais (caligrafia, por exemplo)». A primeira dúvida é sobre tratar-se de uma característica fisiológica. É? A segunda é sobre os exemplos: em vez de se ficar apenas pela impressão digital, porque não referir também a própria voz ou a íris? E, nos últimos anos, não passaram os sensores de reconhecimento facial da ficção para a realidade e não são eles também uma forma, falível como todas as outras, de biometria?

 

[Texto 10 315]

Helder Guégués às 10:20 | comentar | ver comentários (1) | favorito
20
Nov 18

Léxico: «açorianidade»

E por aí fora

 

      «O poeta e escritor Urbano Bettencourt considera que Vitorino Nemésio, cujo 40º aniversário da morte é hoje assinalado, criou, em 1932, o termo açorianidade como forma de representar o “modo de ser açoriano”, uma definição que está patente, de forma “mais ou menos simbólica”, no clássico da literatura Mau tempo no canal» («Nemésio criou termo do modo de ser açoriano», Destak, 20.11.2018, p. 14).

      Foi nesse preciso momento que Nemésio se transcendeu. E o termo «alentejanidade», quem o inventou? E «ilheidade»? E «madeiridade»?

 

[Texto 10 314]

Helder Guégués às 10:10 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,