28
Dez 18

Dez dias, 200 páginas

Outra vez: pobres leitores

 

      «Com 200 páginas, ‘Político Esfaqueado ou É Morto ou É Eleito’ foi escrito em apenas dez dias» («Judite de Sousa escreve novo livro em dez dias», Paulo Abreu, Correio da Manhã, 16.12.2018, p. 41). Escrito em dez dias... Qualquer livro desta dimensão demora mais do que isso a rever. O primeiro livro estava errado logo no título, nunca corrigido: Olá Mariana. (Opção, muitas vezes, dos paginadores, que, pelo princípio de Peter, se põem a opinar sobre estas matérias.) Agora este, 15 euros... Pobres leitores.

 

[Texto 10 503]

Helder Guégués às 15:56 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Tradução: «tonneau»

É assim

 

      «O barril tem três metros de comprimento por 2,10 de largura e está totalmente equipado para viver durante três meses: tem kitchenette, com um fogão para cozinhar, uma pequena dispensa, cama e até uma zona de escritório. No fundo deste barril gigante laranja, Jean-Jacques Savin tem uma vigia para poder ir observando o que se passa no fundo do oceano» («Ir com a maré. Francês de 71 anos atravessa o Atlântico de barril», Joana Carvalho Reis, TSF, 27.12.2018, 16h59).

      Isto de uma jornalista confundir «despensa» com «dispensa» é lamentável. (E cá está um caso em que podíamos, com toda a propriedade, usar o termo «galé» em vez do anglicismo.) Mas, como sempre, não estamos aqui apenas por isso. Será mesmo de um barril que se trata? Dito de outra forma, «barril» será mesmo a melhor tradução do termo francês tonneau? O termo mais genérico é tonel, e talvez fosse essa a melhor opção. Ou pipa. Le tonneau de Diogène: a pipa de Diógenes.

 

[Texto 10 502]

Helder Guégués às 11:16 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «prior»

No entanto, usamo-lo

 

      Ainda A Ronda da Noite, de Luís Caetano. Às tantas, António Mega Ferreira referiu que Dante Alighieri (1265-1321) também foi político — foi prior de Florença. Na verdade, tanto usou o termo português, prior, como o italiano, priore. E Luís Caetano usou mesmo a palavra «priorado». Ora, os nossos dicionários não acolhem esta acepção de prior. Nos dicionários é assim, mas não na língua, pois é usada neste sentido em livros em língua portuguesa, e não apenas em traduções. «Titolo dato talvolta nel primo periodo comunale a quello fra i consoli che appariva come il capo del consolato. Nel Comune di Firenze, erano chiamati priori i rappresentanti delle più importanti corporazioni commerciali e industriali o arti», lê-se no Treccani.

 

[Texto 10 501]

Helder Guégués às 09:58 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Um «parador» deslocado

Por uma sopa de peixe

 

      Há dias, comi uma boa sopa de peixe, barbo e boga do Côa, no Hotel Fortaleza de Almeida. Como já era de noite quando cheguei à vila, perguntei a um habitante, um dos pouquíssimos de mais uma vila fantasma do nosso interior, onde era o hotel. «Hotel Fortaleza? Não conheço cá isso.» Só conhecia o Hotel Parador de Almeida. Ao que parece, primeiro foi Pousada de Nossa Senhora das Neves, depois passou a designar-se Hotel Parador de Almeida e, por fim, Hotel Fortaleza. Por qualquer motivo, ficou-lhe na mente a designação mais espúria: parador é termo castelhano que corresponde, mais ou menos, à nossa pousada. Como se sabe, paradores são a rede hoteleira pública em Espanha. Até isto — é verdade que Espanha está ali à vista da fortaleza — fomos copiar. C’um caraças. ¡Joder! 

 

 [Texto 10 500]

Helder Guégués às 09:16 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Léxico: «dantólogo»

Falta um d

 

      Um pesadelo trouxe-me mais cedo do mundo dos mortos que é o sono. Na Antena 1, passava, em reposição, A Ronda da Noite, de Luís Caetano, e o entrevistado era António Mega Ferreira. A propósito de Brunetto Latini, o primeiro mestre de Dante, disse: «Até hoje, nenhum dantólogo foi capaz de justificar por que razão é que ele o coloca entre os sodomitas.» No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, o mais próximo é antólogo, «colecção de hinos da Igreja grega; antologista». Está noutros dicionários. Mais à frente: «A tradução [da Divina Comédia, de Dante] de Vasco Graça Moura, que é uma tradução, evidentemente, é um trabalho monumental, é, como todas as traduções, discutível, ela não é o supra-sumo da barbatana porque não há supra-sumo da barbatana numa coisa desta natureza.» A expressão supra-sumo da barbatana, que, a meu ver, foi aqui mal usada, não está nos nossos dicionários. Imagino os tormentos de alguém que tenha de traduzir do português para outras línguas.

 

[Texto 10 499]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «rádio-teatro»

Radiofónico

 

      «Manuela Cassola, que colaborou com frequência em programas de rádio-teatro da Emissora Nacional, passou ainda por várias companhias, como a do Chiado, e participou em espetáculos dirigidos por Mário Viegas e Juvenal Garcês» («Morreu a atriz Manuela Cassola», Rádio Renascença, 26.12.2018, 18h38).

      No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, nada. Ou sim, mas uma coisa enviesada: no Dicionário de Português-Neerlandês, regista-se o brasileirismo radioteatro. Hoorspel. Isto é impressionante! O termo português é que ficou no tinteiro.

 

[Texto 10 498]

Helder Guégués às 08:34 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
28
Dez 18

Tradução: «DCI»

Mais modestamente

 

      «Num artigo publicado na segunda-feira, o jornal The Guardian cita o comandante da polícia encarregado da investigação, Glen Lloyd, que diz que, apesar das detenções, a investigação continua» («Jovem pugilista português morto à facada em Londres», Público, 26.12.2018, p. 10). Comandante da polícia? «DCI Glen Lloyd», lê-se naquele jornal inglês. Detective chief inspector. Em português, inspector-chefe.

 

[Texto 10 497]

Helder Guégués às 08:31 | comentar | favorito
Etiquetas: ,