29
Dez 18

Léxico: «criossismo»

Ciência muda

 

      «Um abalo causado pelo gelo, ou criossismo, é um fenómeno natural raro que faz o solo tremer na proximidade imediata do respetivo epicentro e produz um som estrondoso» («Abalos causados pelo gelo», Quero Saber, Outubro/Novembro de 2018, p. 71).

      Nos nossos dicionários — e consultei muitos — não encontramos o vocábulo criossismo, que, afinal, se usa numa simples revista de divulgação. Pobres cientistas, pobres falantes, que se vêem desamparados.

 

[Texto 10 509]

Helder Guégués às 15:34 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «bananicultor»

Estranha ausência

 

      «2.900 bananicultores protegidos pelo seguro coletivo de colheitas» (Cláudia Ornelas, Jornal da Madeira, 29.12.2018, p. 18). No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, só bananívoro, mas alguém tem de as produzir. Não podemos deixar de estranhar esta ausência, quando encontramos o vocábulo em muitos dicionários e vocabulários.

 

 

[Texto 10 508]

Helder Guégués às 15:17 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «cogumelo-do-mel»

E outro

 

      «O fungo, da espécie Armillaria gallica ou cogumelo do mel, já existia antes de Cristo, mas só começou a ser estudado no final dos anos 1980 por uma equipa de cientistas da Universidade do Missouri, liderada por Johann Bruhn. Inicialmente esta equipa acreditava que o fungo tinha 1500 anos e pesava cerca de 100 toneladas. As características foram atualizadas este mês com a publicação do estudo “Clonal evolution and genome stability in a 2500-year-old fungal individual” pela Royal Society» («Este cogumelo tem 2500 anos, é do tamanho de 400 campos de futebol e continua a crescer», Diário de Notícias, 28.12.2018, 23h00).

      No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, do mel só um pássaro-do-mel.

 

[Texto 10 507]

Helder Guégués às 15:12 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «(jogo do) raspa»

Ficam sempre alguns de fora

 

      «As receitas do jogo instantâneo madeirense, mais conhecido como o ‘jogo do raspa’, aumentaram 11% desde 2017, rendendo até novembro passado cerca de um milhão de euros» («Raspa rende cerca de 1 milhão de euros», Jornal da Madeira, 29.12.2018, p. 7).

      Que tal estamos de jogos nos dicionários? No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não vamos encontrar o raspa. E serão mesmo nomes próprios? Euromilhões, por exemplo? O dicionário da Porto Editora regista totobola, totoloto, raspadinha, mas não este que vai ter um acumulado de 128 milhões na próxima terça-feira. Como sucede tantas vezes, há aqui incoerências: num bilingue aparece Euromilhões e, noutro, euromilhões.

 

[Texto 10 506]

Helder Guégués às 10:40 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «cardiometabólico»

Para engrossar a lista

 

     «Já se sabe que a gordura abdominal está associada a um risco aumentado de doenças cardiometabólicas, mas também de cancro, perturbações no sistema nervoso central e mortalidade em geral. Sabe-se também que a actividade física reduz o tecido adiposo visceral, que envolve os órgãos internos da cavidade abdominal. Porém, os mecanismos que estão subjacentes a esse fenómeno ainda não foram totalmente esclarecidos» («Há um ingrediente especial para perder a barriga com exercício», Andrea Cunha Freitas, Público, 28.12.2018, p. 29).

      O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não sabe do que se trata, e, contudo, não lhe faltam palavras com o elemento cardio-, como se pode ver.

 

[Texto 10 505]

Helder Guégués às 10:12 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
29
Dez 18

Léxico: «periquito-de-colar»

Vai demorar

 

      «A Grécia está a contar a população de periquitos-de-colar, naturais de África e da Índia, para evitar desequilíbrios na biodiversidade local» (Público, 28.12.2018, p. 26). Periquito-de-colar (Psittacula krameri). No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, de colar, só ursos, lagartos e melros.

 

[Texto 10 504]

Helder Guégués às 10:10 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
28
Dez 18

Dez dias, 200 páginas

Outra vez: pobres leitores

 

      «Com 200 páginas, ‘Político Esfaqueado ou É Morto ou É Eleito’ foi escrito em apenas dez dias» («Judite de Sousa escreve novo livro em dez dias», Paulo Abreu, Correio da Manhã, 16.12.2018, p. 41). Escrito em dez dias... Qualquer livro desta dimensão demora mais do que isso a rever. O primeiro livro estava errado logo no título, nunca corrigido: Olá Mariana. (Opção, muitas vezes, dos paginadores, que, pelo princípio de Peter, se põem a opinar sobre estas matérias.) Agora este, 15 euros... Pobres leitores.

 

[Texto 10 503]

Helder Guégués às 15:56 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Tradução: «tonneau»

É assim

 

      «O barril tem três metros de comprimento por 2,10 de largura e está totalmente equipado para viver durante três meses: tem kitchenette, com um fogão para cozinhar, uma pequena dispensa, cama e até uma zona de escritório. No fundo deste barril gigante laranja, Jean-Jacques Savin tem uma vigia para poder ir observando o que se passa no fundo do oceano» («Ir com a maré. Francês de 71 anos atravessa o Atlântico de barril», Joana Carvalho Reis, TSF, 27.12.2018, 16h59).

      Isto de uma jornalista confundir «despensa» com «dispensa» é lamentável. (E cá está um caso em que podíamos, com toda a propriedade, usar o termo «galé» em vez do anglicismo.) Mas, como sempre, não estamos aqui apenas por isso. Será mesmo de um barril que se trata? Dito de outra forma, «barril» será mesmo a melhor tradução do termo francês tonneau? O termo mais genérico é tonel, e talvez fosse essa a melhor opção. Ou pipa. Le tonneau de Diogène: a pipa de Diógenes.

 

[Texto 10 502]

Helder Guégués às 11:16 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
28
Dez 18

Léxico: «prior»

No entanto, usamo-lo

 

      Ainda A Ronda da Noite, de Luís Caetano. Às tantas, António Mega Ferreira referiu que Dante Alighieri (1265-1321) também foi político — foi prior de Florença. Na verdade, tanto usou o termo português, prior, como o italiano, priore. E Luís Caetano usou mesmo a palavra «priorado». Ora, os nossos dicionários não acolhem esta acepção de prior. Nos dicionários é assim, mas não na língua, pois é usada neste sentido em livros em língua portuguesa, e não apenas em traduções. «Titolo dato talvolta nel primo periodo comunale a quello fra i consoli che appariva come il capo del consolato. Nel Comune di Firenze, erano chiamati priori i rappresentanti delle più importanti corporazioni commerciali e industriali o arti», lê-se no Treccani.

 

[Texto 10 501]

Helder Guégués às 09:58 | comentar | favorito
Etiquetas: ,