31
Mar 19

Léxico: «figueira-de-bengala»

Mas não esta

 

      «“Quando chegámos havia muitas destas árvores”, explica Shah Alam, professor de 30 anos, sentado no banco corrido de uma barraca que serve café e chá sob os galhos desta imponente figueira-de-bengala, uma espécie endémica do Bangladesh com raízes delgadas que engrossam quando atingem o solo. Estamos no topo de uma pequena colina com vista para milhares de barracas. “Cortámos todas excepto esta”, diz. “Há algo dentro dela.”» («Rohingya. “Estavam-nos a matar. Escondíamo-nos como galinhas”», Luís Octávio Costa, Público, 18.03.2019, p. 28).

      O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora regista várias espécies de figueiras, mas não esta enorme figueira-de-bengala (Ficus benghalensis), seguramente a figueira mais impressionante que existe.

 

[Texto 11 084]

Helder Guégués às 13:42 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «teledildónica»

Relações à distância

 

      «O teledildónico Lush 2 posiciona-se na dianteira da tabela de vendas no segmento tecnológico. “Trata-se de um vibrador — ou óvulo — introduzido na mulher, com esquemas pré-montados de vibração, que podem ser controlados por alguém à distância, através do computador, telemóvel (ou smartwatch)”, esclarece o responsável» («Saiba quais são os brinquedos sexuais que estão na moda», Miguel Balança e André Filipe Oliveira, Correio da Manhã, 30.03.2019, itálicos meus).

      O termo (teledildonics ou cyberdildonics, em inglês) foi cunhado na década de 1990 e por cá já se usa pelo menos desde o ano 2000 na imprensa.

 

[Texto 11 083]

Helder Guégués às 12:04 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «paracanoísta/paracanoagem»

Andam por aí

 

      «O paracanoísta Norberto Mourão ficou esta quinta-feira a sete milésimos de segundo do 10.º lugar nos Mundiais de canoagem adaptada de Milão, Itália, que lhe valeriam a entrada no Projeto Para[o]límpicos Rio 2016» («Paracanoagem: Norberto Mourão a 7 milésimos do projeto olímpico», Record, 20.08.2015, 15h03). Ainda ontem à noite os ouvi num telejornal da SIC.

 

[Texto 11 082]

Helder Guégués às 10:19 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
31
Mar 19

Léxico: «pan-árabe»

Nem querem saber

 

      «E houve vários gestos destes, dos pequenos aos maiores: a emissora panárabe Al Jazira enumera iniciativas de crowdfunding para ajudar quem precisasse, doação de comida halal, que cumpra as regras muçulmanas, ou oferta de companhia a muçulmanos que se sentissem inseguros» («No dia seguinte ao terror, Nova Zelândia une-se em apoio às vítimas», Maria João Guimarães, Público, 17.03.2019, p. 20).

      Recusam-se a pensar e só consultam o dicionário em casos extremos — e depois dá nisto. Maria João Guimarães, é pan-árabe, como é pan-africano, pan-americano, etc. Justifica-se plenamente que os dicionários acolham então pan-árabe e pan-arabismo.

 

[Texto 11 081]

Helder Guégués às 10:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
30
Mar 19

Um «vexa» vexatório

Tudo mau

 

      «A deputada socialista, Isabel Moreira, denunciou esta sexta-feira, através do Facebook, uma mensagem violenta e homofóbica de um membro da “comissão política da concelhia do CDS-PP de Barcelos”, Armindo Leite. Na imagem divulgada por Isabel Moreira pode ler-se: “És uma vergonha, fufa de m****, mata-te......”. “Tenciono continuar por aqui, Armindo sexista, homofóbico, criminoso e cobarde. Há mais como vexa. E há mais, mas muito mais como eu. Toda uma multidão do lado da liberdade e da igualdade. ADENDA: fui informada de que o ameaçador pertence à comissão política da concelhia do CDS-PP de Barcelos. Aguardo reações da direção do CDS. Pois é, acho isto intolerável”, esclareceu Isabel Moreira» («Deputada socialista denuncia mensagem violenta e homofóbica de membro do CDS-PP», Correio da Manhã, 30.03.2019, 8h25).

      O CDS tem lá boas peças, tem. Nada desculpa, porém, aquele «vexa», que não passa, em português, de uma forma do verbo «vexar». Para significar o que se pretende ali na frase citada acho-o simplesmente parolo. E aqueles seis pontos? Duplas reticências... E as vírgulas a isolarem o nome da deputada? Andam a estudar muito, vê-se logo.

 

[Texto 11 080]

Helder Guégués às 21:36 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
30
Mar 19

Tu cá, tu lá

A familiaridade abusiva

 

      Entramos na página da Internet da Ramirez e, solícitos, dizem-nos logo num português dúbio: «Olá! Estamos aqui para ajudar a responder às tuas perguntas.» E tratam-nos logo por tu. Seguem as tendências actuais, agora parece tudo mal traduzido do inglês. Já hoje vi isso num texto que aqui citei da RR, sobre Jimmy Carter. Eis o trecho: «Mas Carter também é muito rápido a sublinhar que nada tem contra quem o faça e não critica antecessores ou sucessores por o terem feito. É perfeitamente legal. Não há nada de errado nisso. Se alguém te quer pagar milhões de dólares para que faças um discurso não há nada de errado» («“Jimmy Carter prova que a decência conta”», José Bastos, Rádio Renascença, 30.03.2019, 8h43). José Bastos, isso em português não é assim. É uma chatice ter de explicar tudo, mas cá vai: «Se alguém nos quer pagar milhões de dólares para que façamos um discurso, não há nada de errado.» Portanto, ó Ramirez, desampara-me a loja, vai dar banho ao cão.

 

[Texto 11 079]

Helder Guégués às 20:57 | comentar | favorito