31
Jul 19

Léxico: «paraprofissional»

E, contudo, usa-se

 

      «Todas eram, essencialmente, duplicados de sociedades profissionais não totalitárias existentes; eram paraprofissionais como as tropas de assalto eram paramilitares» (As Origens do Totalitarismo, Hannah Arendt. Tradução de Roberto Raposo. Alfragide: Publicações Dom Quixote, 2017, p. 465).

      Há já dez anos eu estranhava que não estivesse, como substantivo e como adjectivo, nos dicionários. Decerto, vem do inglês, como muitos outros, mas não estranhamos o conceito nem o uso do elemento de formação para-; lembremo-nos, por exemplo, da palavra «paramédico», hoje muito mais em uso. No futuro, as mudanças nas profissões vão levar-nos a ter mais paraprofissionais do que profissionais.

 

[Texto 11 855]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
31
Jul 19

Léxico: «biodiesel | transesterificação»

Não se percebe

 

      «Numa altura em que esta é cada vez mais considerada uma matéria-prima insustentável que mata habitats e espécies pelo mundo, em apenas um ano Portugal passou a usar cinco vezes mais óleo de palma na produção de gasóleo. […] Em 2017 usaram-se 7,6 milhões de litros de óleo de palma na produção do biodiesel que por lei tem de ser incorporado no gasóleo rodoviário, número que em 2018 disparou para 38 milhões» («Óleo de palma no gasóleo vendido em Portugal quintuplicou em apenas um ano», TSF, 24.07.2019, 7h45).

      Não vou fingir o contrário: não percebo a definição de biodiesel no dicionário da Porto Editora, que diz que é o «combustível renovável e biodegradável, fabricado a partir do óleo vegetal obtido de sementes oleaginosas e/ou de óleos vegetais, usado em veículos com motor diesel». Segunda questão: o biodiesel é produzido por meio de um processo químico chamado transesterificação, que é a separação da glicerina do óleo vegetal, termo que não vejo nos nossos dicionários.

 

[Texto 11 854]

Helder Guégués às 07:00 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,
30
Jul 19

Léxico: «complanar»

Mas aqui adjectivo

 

      A janela de novo. Outra empresa vem agora dizer-me que no interior pode usar uma folha complanar. Ora nem no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora encontramos este adjectivo, complanar — que coexiste com outras linhas no mesmo plano.

 

[Texto 11 853]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
30
Jul 19

Léxico: «lancetagem»

Destas, às centenas

 

      Será mesmo dolorosa, como parece, a lancetagem de um furúnculo? Ia perguntar à Porto Editora, mas ela, toda etérea e cada vez mais virtual, não sabe o que é lancetagem, pois não? As melhoras.

 

[Texto 11 852]

Helder Guégués às 07:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
29
Jul 19
29
Jul 19

Léxico: «computorização»

Como pode ser?!

 

      «A origem da RAM [revolução nos assuntos militares] em curso reside na tecnologia, na vertiginosa evolução tecnológica da era da informação, computorização e robotização, dos avanços no conhecimento intensivo, que, em terminologia militar, se condensa na fórmula C4ISR, ou seja, Comando, Controlo, Comunicações, Computorização e Informação, mais Vigilância e Reconhecimento» (Guerra e Sociedade, Pedro de Pezarat Correia. Lisboa: Edições Almedina, 2017, p. 230).

      Ora cá temos mais um termo, computorização, que na Infopédia apenas encontramos em dois dicionários bilingues.

[Texto 11 851]

Helder Guégués às 07:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
28
Jul 19
28
Jul 19

Léxico: «internet das coisas»

Está na hora

 

      Há já milhares de milhões de dispositivos ligados à internet, mas ao dicionário da Porto Editora ainda não chegou a locução internet das coisas (também conhecida pela sigla inglesa IoT). Sim, começo a repensar a minha opinião sobre o uso da maiúscula na palavra. A propósito: no verbete internet, a Porto Editora grafa-a em itálico, internet, mas talvez em todos (?) os verbetes em que se usa a palavra não a grafa em itálico. Enfim, estabelecer regras é fácil — difícil é mantê-las coerentemente.

 

[Texto 11 850]

Helder Guégués às 07:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
27
Jul 19
27
Jul 19

Léxico: «pedomorfose | juvenilização»

Duas ausências

 

      Sim, tenho a certeza de que na definição de neotenia, no dicionário da Porto Editora, se devia falar em pedomorfose (que nem regista!), quando não em juvenilização (que nem regista!). É à ideia de neotenia que os construtores de robôs recorrem para que os seus andróides gerem mais simpatia nos humanos: olhos grandes, brilhantes, cara arredondada, a fazer lembrar crianças pequenas. Sempre que penso na palavra ou a leio, é a cara abolachada de Paul McCartney (mas Paul is dead) que me vem à mente.

 

[Texto 11 849]

Helder Guégués às 07:30 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,
26
Jul 19

Léxico: «ministro plenipotenciário»

Confusões no bar

 

      Numa conversa ao meu lado, alguém desconhece a designação ministro plenipotenciário e mete os pés pelas mãos. Por vezes, intervenho, mesmo sem conhecer as pessoas. Intrometo-me. Com uma nota de humor, tento evitar o constrangimento de quem se vê desautorizado, quando não desmascarado. Mas desta vez deixo correr. Bom era que pudesse remeter simplesmente a criatura para o dicionário da Porto Editora se lá estivesse, no verbete embaixador, por exemplo, que a carreira diplomática é composta por cinco categorias: adido de embaixada, secretário de embaixada, conselheiro de embaixada, ministro plenipotenciário e embaixador. Pois, era bom — mas era preciso que esta informação estivesse no dicionário. Bolas!

 

[Texto 11 848]

Helder Guégués às 07:30 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
26
Jul 19

Léxico: «robô | humanóide | andróide | ciborgue»

Mal explicado

 

      Robô, ciborgue, andróide, humanóide... Para o dicionário da Porto Editora, andróide é o «robô com figura humana, cujos movimentos reproduz», ao passo que humanóide, entendido numa das acepções como sinónimo, é a «criatura com traços ou forma semelhantes ao homem». Até robô não me parece particularmente bem descrito, pois fala de «mecanismo automático, por vezes com a configuração de um ser humano, capaz de fazer movimentos e executar certos trabalhos em substituição do homem». É assaz poucochinho. Como eu o entendo — ou como são os actuais —, o robô é uma máquina electromecânica gerida por software. Penso nos robôs industrais ou nos que em muitos hospitais transportam medicamentos de um lado para outro e até fazem companhia aos doentes, e que podem ser autónomos. Mecanismos automáticos já existiam séculos antes do advento da informática.

 

[Texto 11 847]

Helder Guégués às 07:25 | comentar | ver comentários (1) | favorito