Vinténio e centenário

O raro e o dispensável

 

      Os jornalistas, e sobretudo os do desporto, são pródigos em parvoíces, como se sabe. Ultimamente andam a falar do «golo centenário» de não sei quem. Golo centenário... Não fosse a igual impossibilidade, só um galo centenário. Não se enxergam, é só isso. A propósito de centenário, há dias vi pela primeira vez fora dos dicionários a palavra vinténio: «De vinténio para vinténio, cada geração reage contra a geração antecedente, e pela leitura das revistas mais novas poderemos inferir quais os escritores que efectivamente exerceram preceptorado ou mestrado» (A Literatura de José Régio, Álvaro Ribeiro. Lisboa: Sociedade de Expansão Cultural, 1969, p. 91).

 

[Texto 12 232]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | favorito
Etiquetas: ,