07
Nov 19

Léxico: «pintassilgo-comum | tentilhão-comum»

Fogem ao comum

 

      «Algumas das espécies de aves atingidas incluem o tordo-comum, a milheirinha, o lugre, o pintassilgo-comum, o verdilhão, o tentilhão-comum e a toutinegra — todas elas espécies protegidas apanhadas nas oliveiras enquanto estavam a dormir» («Pelo menos 70 mil aves morrem, por ano, na apanha noturna da azeitona», Nuno Guedes, TSF, 24.10.2019, 10h18).

      No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, não vamos encontrar nem o pintassilgo-comum nem o tentilhão-comum, e, contudo, está lá o tordo-comum. Falta afinar os critérios. Ou não: basta continuar a trabalhar sem parar.

 

[Texto 12 251]

Helder Guégués às 10:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «meiinho»

Já sabemos: só num bilingue

 

   «De acordo com o Jornal de Notícias, o treinador dividiu os jogadores por grupos para fazerem “meiinhos” (exercícios em que a bola de futebol é trocada pelos jogadores numa roda e aquele que está no meio tem de a apanhar), e estabeleceu como regra que quem não conseguisse apanhá-la antes de serem feitos 25 passes, levaria “calduços” dos colegas» («Jogador de 13 anos perde memória após agressões ordenadas por treinador», Rita Carvalho Pereira e Paula Dias, TSF, 25.10.2019, 8h51). Está num bilingue, para traduzir o inglês: «Estados Unidos da América (jogo infantil) monkey in the middle».

 

[Texto 12 250]

Helder Guégués às 10:00 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «big-bang»

A olho?

 

      Espera lá, então tenho aqui um astrofísico americano a dizer que a idade do Universo é de 13,8 mil milhões de anos e a Porto Editora afiança que o big-bang terá ocorrido há quinze mil milhões de anos? Também posso dar o meu palpite?

 

[Texto 12 249]

Helder Guégués às 09:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito

Léxico: «sangueira»

Isso é muito pouco

 

      O primo Jorge comprou uma dúzia de sangueiras na Feira dos Santos em Mangualde. Não precisava de as levar para casa tão depressa na sua carrinha Audi RS6 de quase 700 cv, mas foi o que fez. A mulher não sabia o que são sangueiras, mas tem desculpa, é flamenga. Mas alguns portugueses presentes também não sabiam do que se tratava... E os dicionários? O da Porto Editora não nos leva muito longe: «regionalismo chouriço de sangue». Hum... Bem, no portal da Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural, leio esta definição: «A Sangueira de Barroso-Montalegre IGP é um enchido fumado, em forma de ferradura, com cerca de 3 cm de diâmetro, obtido à base de carne, gordura e sangue de porcos da raça Bísara (ou com 50 % de sangue bísaro) e pão de trigo, condimentados com sal, alho, vinho, colorau picante e/ou doce, salsa, cebola e azeite. De cor preta e aspeto rugoso, é constituído por uma pasta mole e seca na qual se podem aperceber pedaços de carne.»

      Não basta registar os vocábulos, tem de se querer alcançar a definição mais informativa, precisa e rigorosa possível.

 

[Texto 12 248]

Helder Guégués às 09:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito

Léxico: «asqueroso | ascoroso»

Não faça isto

 

      Citou Monteiro Lobato e, junto à palavra «ascorosas» que aquele escritor usou, pespegou um inepto sic. Fosse menos precipitado e acabaria por concluir que asqueroso e ascoroso são variantes igualmente legítimas. Não o fez, mas a Porto Editora pode fazer qualquer coisa: em asqueroso, praticamente a única que os falantes conhecem, remeter para ascoroso — até porque o contrário já acontece.

 

[Texto 12 247]

Helder Guégués às 09:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
07
Nov 19

Léxico: «multipar»

Pobres técnicos

 

      É melhor continuar. Afinal, quase ninguém quer fazer nada, excepto criticar, e mesmo isso de forma incompetente.

      «Os danos ocorreram numa placa que faz a ligação com o cabo multipar» («Teleférico de Guimarães já está a funcionar», D. M., Jornal de Notícias, 28.08.2019, p. 26). Pois, parece que vem do inglês (cable multipar), mas usa-se aí por todo o lado.

 

[Texto 12 246]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,